Prefeitos viram alvo de golpistas em clonagem de celular e Assomasul alerta

Assembleia-Geral de prefeitos na Assomasul – Foto: Edson Ribeiro

Vários prefeitos de Mato Grosso do Sul têm se queixado esta semana sobre um golpe que virou febre nos últimos dias em todo país, a clonagem de aparelho de celular.

Os golpistas miram as autoridades públicas para tirar proveito de vários tipos de informações, ignorando assim a pena prevista para o crime que é de detenção de três meses a um ano, além de multa.

Pelo número de denúncias divulgado na imprensa esse tipo de golpe tomou grande proporção agora em plena pandemia da Covid-19 (novo coronavírus).

Na prática, os estelionatários pedem para confirmar informações e, no final, dizem que a vítima receberá um SMS com um código que deve ser informado.

O objetivo, porém, é subtrair dados pessoais e códigos de verificação do aplicativo de mensagens visando clonar o número e ter acesso aos dados do celular.

Uma das vítimas recentes em Mato Grosso do Sul foi o prefeito de Paraíso das Águas, Anízio Andrade, que recebeu uma ligação como se fosse do Ministério da Saúde, querendo saber informações sobre a pandemia.

Na ligação, o golpista pediu ao prefeito um código que diz ter enviado ao celular dele.

Da mesma forma, os prefeitos de Amambai, Doutor Bandeira, e de Eldorado, Aguinaldo dos Santos, também foram alvos dos criminosos.

No mais recente, também alegando ser ligação procedente do Ministério da Saúde, tentou induzir a secretária da Presidência da Assomasul (Associação dos Municípios de Mato Grosso do Sul), Mariana Garrido.

Nesse caso, a pessoa se identificou dizendo que estava fazendo um levantamento sobre a pandemia pelo Ministério da Saúde.

“Ele fez cinco perguntas e disse que a pesquisa iria ser registrada no site do Ministério da Saúde e, para isto, precisava enviar um código para o meu celular com três dígitos”, explicou ela, que logo percebeu o golpe e não atendeu ao falso levantamento.

Diante disso, a Assomasul alerta aos prefeitos e prefeitas sobre estelionatários que estão se passando por representantes do Ministério da Saúde com o objetivo de clonar contas no Whatsapp e ter acesso aos dados das vítimas, e orienta aos gestores e toda a população em hipótese alguma a clicar em link ou passar códigos recebidos de ligações ou números desconhecidos.

Secretário de Saúde

Nem mesmo o secretário de Estado de Saúde, Geraldo Resende, escapou dos estelionatários e teve o celular clonado, após participar de uma pesquisa falsa do SUS (Sistema Único de Saúde), vinculado ao Ministério da Saúde, sobre como está o enfrentamento da pandemia do novo coronavírus em MS.

“Ele falou que estava fazendo um levantamento para saber como estava o enfrentamento a uma pandemia da Covid, bem como a imunização. Eu cheguei até cobrá-lo sobre quando chegarão outros lotes de vacinas, porém ele não me respondeu. No término da ‘entrevista’, ele me mandou um código e pediu que eu digitasse uma senha, foi quando meu aparelho clonado”, contou Geraldo Resende, em entrevista à imprensa da Capital.

DEIXE UM COMENTÁRIO/RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.