O prefeito André Nezzi e o coordenador de filial da CEF, George Minoru Makita, durante ato de assinatura de convênios – Foto: Divulgação

Com o objetivo de fortalecer o desenvolvimento econômico do município de Caarapó, melhorando as condições de trafegabilidade das estradas municipais e incrementando o apoio aos pequenos e médios produtores rurais, a administração do prefeito André Nezzi (PDT) tem desenvolvido ações que, no curto prazo, surtirão os efeitos pretendidos. 

Nesse sentido, o mandatário caarapoense tem buscado parcerias junto a órgãos federais para garantir recursos que serão destinados à execução de ações de apoio ao homem do campo. Exemplo disso foi a ida do dirigente municipal a Brasília no mês de dezembro do ano passado, onde visitou ministérios e outros órgãos do governo federal, cumprindo uma extensa agenda contendo reivindicações em favor do município. 

A visita de André Nezzi à Capital do País começa a render os primeiros frutos. Na quarta-feira (9), o prefeito de Caarapó assinou convênio com a Caixa Econômica para aquisição de um caminhão caçamba traçado, no valor de R$ 282 mil, e de uma escavadeira PC, de R$ 485 mil. Os recursos são decorrentes de emenda parlamentar do então deputado federal emedebista Carlos Marun junto à Superintendência de Desenvolvimento do Centro-Oeste (Sudeco) e do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (MAPA). 

“Teremos permanentemente a nossa atenção voltada aos pequenos e médios produtores rurais, especialmente aos integrantes da agricultura familiar, que dependem das parcerias com o Poder Público para melhorar a produção no campo”, ressaltou o prefeito André Nezzi. O dirigente acrescenta que a agricultura familiar e o agronegócio, desenvolvido de forma empresarial, são o grande sustentáculo da economia municipal, elevando o município de Caarapó a uma posição de destaque no ranking dos maiores produtores do ramo no País. 

André Nezzi faz referência a levantamento do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, que mostra Caarapó em 90º lugar na lista dos 100 maiores produtores de riquezas do País. Pelo estudo do órgão federal, o resultado é creditado ao agronegócio.