Indicação da vereadora tem o objetivo de desafogar a Upa, principalmente nos períodos de superlotação por causa dos casos de dengue

Daniela durante visita nas unidades de Saúde de Dourados – Divulgação

Unidades de Saúde de Dourados começam a funcionar até às 22h. A medida atende a uma indicação feita pela vereadora Daniela Hall (PSD) para o Executivo Municipal em março desse ano com o objetivo de desafogar a Unidade de Pronto Atendimento (Upa-24h), principalmente após as superlotações causadas pelo aumento nos casos de dengue no município.

De acordo com a secretaria de Saúde de Dourados, os postos de saúde em horário diferenciado estão nos bairros: Vila Cachoeirinha (Rua Ernesto matos de carvalho, s/n), Jardim Maracanã (Rua Monte Alegre, 6650), Parque das Nações II (Rua José Valério dos Santos s/n), Jardim Guaicurus (Rua Tito Melo s/n), Jardim Flórida (Seleta – Rua José Roberto Teixeira, 691), Jardim santo André (Rua Mato Grosso s/n).

De acordo com dados da Saúde de Dourados, até o último dia 2, o município registrou 792 casos de dengue, sendo 291 positivos e 153 negativos, além de duas mortes. Em relação a Chikungunya são 33 casos, sendo 7 positivos e 18 negativos. A Zika vírus teve quatro notificações. O município passou de média para alta incidência, sendo que o aumento é mais de 800% com relação aos números notificados no mesmo período do ano passado.

Segundo Daniela Hall, é mais do que urgente que os postos de Saúde possam garantir atendimento estendido, já que um dos grandes motivos para as superlotações em hospitais públicos é a dificuldade de acesso dos trabalhadores na Atenção Primária.

De portas abertas para a população e com uma carteira de serviços ampliada para atender as necessidades de quem procura o cuidado em saúde, as Unidades Saúde Noite e Dia, que já são realidade em vários municípios brasileiros, conseguem realizar grande número de consultas por dia, com uma taxa de resolutividade ao redor de 90%, ou seja, apenas cerca de 10% dos pacientes são encaminhados para o Hospital.

Estima-se que cerca de 70% dos casos atendidos nas UPAs são classificados como azul ou verde, ou seja, são pacientes que poderiam estar sendo atendidos nas unidades básicas.  Por sua vez, em decorrência do caso não ser tão grave, esse paciente terá que aguardar por um longo período para ser atendido o que incorre na superlotação das unidades de urgência e nas reclamações recorrentes sobre demora no atendimento.

“Com o período estendido nas unidades básicas, a gestão municipal diminui a superlotação nas unidades de emergências e melhora o nível de satisfação dos usuários. Há evidências de que o acesso avançado aos serviços básicos de saúde reduz o tempo de espera para consultas de cuidados primários e hospitalização de pacientes com doenças cardiovasculares, por exemplo. Estou feliz com a atitude do município em ampliar o horário nessas primeiras unidades e esperamos que o projeto possa garantir que ainda mais unidades possam funcionar no período noturno”, destaca.