PF faz operação em MS mais 6 estados, prende 18 e mira núcleo financeiro de facção

Segundo a PF, o controle das atividades era feito por meio de bilhetes levados por familiares de presos – Foto: Divulgação/PF

Justiça bloqueou cerca de 400 contas bancárias. Grupo movimentava R$ 1 milhão por mês e controlava arrecadação de dentro de presídio no Paraná, aponta investigação.

A Polícia Federal deflagrou na manhã desta terça-feira (6) uma operação com o objetivo de desarticular o núcleo financeiro de uma facção criminosa com atuação nos estados do Paraná, São Paulo, Minas Gerais, Pernambuco, Mato Grosso do Sul, Acre e Roraima.

Foram expedidos 55 mandados de busca e apreensão e 30 mandados de prisão, sendo que 8 deles contra pessoas que cumprem pena em presídios do Paraná, São Paulo e Mato Grosso do Sul. Até as 7h30, 18 pessoas foram presas.

Segundo a PF, uma investigação identificou a existência de uma espécie de núcleo financeiro do Primeiro Comando da Capital (PCC) dentro da Penitenciária Estadual de Piraquara, na Região Metropolitana de Curitiba.

De acordo com a polícia, o núcleo é responsável por recolher e gerenciar contribuições para a facção em todo o país. A polícia informou que cerca de 400 contas bancárias controladas pelo grupo foram bloqueadas.

A investigação apontou que os pagamentos eram repassados ao grupo por contas bancárias de maneira intercalada para dificultar o rastreamento. Segundo a PF, cerca de R$ 1 milhão por mês circulavam nas contas mantidas pelo núcleo.

De acordo com a PF, o dinheiro arrecadado era utilizado para a compra de armas e drogas, e bancar transporte e estadia de familiares dos presos próximo aos presídios onde os membros do grupo estão detidos.

Segundo a polícia, a comunicação do núcleo era feito por meio de bilhetes levados por parentes dos presos.

Os mandados são cumpridos por 180 agentes nas cidades de Piraquara, Curitiba, São José dos Pinhais, Paranaguá, Centenário do Sul, Arapongas, Londrina, Umuarama, Pérola, Tapejara, Cascavel e Guarapuava, no Paraná, São Paulo, Praia Grande, Itapeva, Osasco, Itaquaquecetuba e Hortolândia, em São Paulo, além de Uberlândia, em Minas Gerais, Dourados, no Mato Grosso do Sul, Rio Branco, no Acre, Boa Vista, em Roraima, e Caruaru, em Pernambuco.

A ação foi batizada de Operação Cravada e foi deflagrada em conjunto com o Departamento Penitenciário Federal, Ministério Público do Paraná, Secretaria de Administração Penitenciária do Estado de São Paulo e Polícia Militar de São Paulo.

Do G1