Pagamento a Scarpa antes de elenco gera incômodo em jogadores do Flu

Mesmo com a intenção do clube em regularizar débitos com dinheiro da venda de Wendel, atletas têm ressalvas à estratégia adotada pela direção. Conversa com Abel é cogitada

Paralelamente à batalha judicial com Gustavo Scarpa, o Fluminense terá que contornar outra situação delicada no começo de 2018. Houve mal-estar em parte dos jogadores com a decisão do clube em quitar as dívidas com o meia antes de regularizar os atrasados de todo o elenco.

Explica-se: quando Scarpa faltou à reapresentação para a pré-temporada, na última quarta-feira, sem justificar a ausência, a diretoria tricolor apressou-se em encerrar os débitos com o atleta, temendo uma ação judicial. No entanto, o meia já havia entrado com o pedido de rescisão no dia 22 de dezembro – o que só foi revelado no último fim de semana.

Assim que viram as notícias sobre o pagamento de Flu a Scarpa, jogadores entraram em contato com o meia, que respondeu aos amigos confirmando ter recebido os atrasados. Os atletas acharam falta de consideração por parte da diretoria tratar um atleta que não se apresentou de forma diferente. O sentimento foi: “nós estamos aqui entendendo a situação e não nos pagaram”.

O Fluminense deve o salário do mês de novembro, quatro meses de direitos de imagem, além dos 13º e férias de 2016 e 2017. Mesmo assim, todos têm adotado comportamento profissional. Treinam diariamente na pré-temporada não havendo nenhum caso de falta ou atraso.

A estratégia da diretoria tricolor foi de quitar os débitos com o meia de forma emergencial para não perder um ativo do clube e não sofrer prejuízo futuro com o processo judicial, prejudicando ainda mais a situação financeira (Scarpa cobra R$ 9 milhões do Flu na Justiça). Paralelamente, pretende acabar com todos os atrasados até o fim de janeiro, o que pode ocorrer até antes, com o dinheiro da venda de Wendel ao Sporting por 7,5 milhões de euros (cerca de R$ 29,1 milhões), concluída no último sábado.

O incômodo do elenco, no entanto, é antigo. Durante as férias, os atletas esperavam que houvesse uma atualização sobre a situação dos pagamentos através do capitão Henrique. No entanto, foram surpreendidos com o anúncio da dispensa do zagueiro, junto com Diego Cavalieri e mais seis jogadores, no dia 28 de dezembro, em uma operação do clube para reduzir a folha salarial.

No dia da reapresentação para a pré-temporada, houve uma reunião da diretoria com o elenco. Nela, havia a esperança por parte dos jogadores de uma satisfação sobre a dívida. Não houve nenhuma atualização, o que manteve a insatisfação.

Diante do cenário atual, alguns atletas avaliam a possibilidade de reportar o sentimento a Abel Braga. Foi o treinador quem, no ano passado, uniu e comandou o grupo apesar de todas as dificuldades.

Do Globo Esporte