Pães produzidos em presídio de MS reforçam alimentação de estudantes e população carente

Com uma produção média diária de 1.200 pães franceses, o trabalho de detentos na padaria do Estabelecimento Penal de Paranaíba (EPPar) serve para contribuir com a alimentação em escolas da Rede Pública Municipal, creches e instituições que atendem pessoas carentes do município.

A iniciativa teve início há dois meses e integra um convênio entre a Agência Estadual de Administração do Sistema Penitenciário (Agepen) e o Conselho da Comunidade de Paranaíba, que firmou parceria com a prefeitura para a confecção dos pães na unidade prisional.

De acordo com o diretor da unidade, André Aparecido França, a padaria já existe há alguns anos, mas fornecia apenas pães para o próprio estabelecimento prisional, e o convênio foi uma forma encontrada pelo Conselho de contribuir para a ocupação produtiva e remunerada dos custodiados.

“Antes, eles apenas recebiam remição da pena, agora, com esse convênio com a Prefeitura, o Conselho da Comunidade paga ¾ do salário mínimo aos dois internos que são os padeiros responsáveis”, informa.

Para o dirigente, além de contribuir para a disciplina interna, a atividade representa uma oportunidade para os detentos serem reinseridos no mercado de trabalho, pois aprendem uma profissão, que poderão desenvolver quando deixarem a prisão.

O Trabalho prisional em Mato Grosso do Sul é coordenado pela Diretoria de Assistência Penitenciária da Agepen, por meio da Divisão do Trabalho.