Ouvidoria do HU-UFGD participa de encontro do Fórum Nacional de Ouvidores Universitários

Edméia Barrios de Azambuja Gonçalves, ouvidora do HU-UFGD – Divulgação
Edméia Barrios de Azambuja Gonçalves, ouvidora do HU-UFGD – Divulgação

Evento terá programação específica para ouvidores dos Hospitais Universitários

A Ouvidoria do Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados (HU-UFGD) participa esta semana do XVII Encontro Anual do Fórum Nacional de Ouvidores Universitários (FNOU), que acontece em São Paulo (SP), de 16 a 18 de agosto.

Este ano, pela primeira vez, a programação do encontro inclui mesas de debates voltada especificamente aos ouvidores dos hospitais universitários federais. A primeira tem como tema “O tratamento das manifestações nas Ouvidorias dos Hospitais Universitários Federais”, a mesa será realizada na sexta-feira (18) e terá a participação, como expositora, da ouvidora do HU-UFGD, Edméia Barrios de Azambuja Gonçalves.

Participarão ainda da mesa a ouvidora da Maternidade Escola Assis Chateaubriand, da Universidade Federal do Ceará (MEAC-UFC), Edilene Maria Vasconcelos Ribeiro, e o ouvidor do Hospital do Coração (HCor/SP), Ricardo Bueno. A mediadora será a ouvidora do Hospital Universitário da Universidade Federal do Piauí (HU-UFPI), Leila Leal Leite.

Tanto o HU-UFGD quanto a MEAC-UFC e o HU-UFPI são vinculados à Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), empresa pública federal criada em 2011, vinculada ao Ministério da Educação, que administra atualmente 39 hospitais universitários federais.

A segunda mesa de debates da programação específica para os hospitais federais terá como tema “A gestão da LAI nas Ouvidorias dos Hospitais Universitários Federais”.

Para a ouvidora do HU-UFGD, a troca de experiências com profissionais que atendem demandas similares e passam pelos mesmos desafios e dificuldades, é uma oportunidade enriquecedora. “Esse intercâmbio é importante, porque é possível aproveitar as experiências de outros para aperfeiçoar o próprio trabalho, melhorar o atendimento e até mesmo agilizar a resolução das demandas e a mediação dos conflitos. É a primeira vez que haverá esse debate específico sobre as questões dos hospitais universitários, e acredito que será bastante proveitoso”, considera Edméia.