Obra da Unidade da Mulher e da Criança, no HU-UFGD, terá início neste ano

Reunião, em Brasília, para assinatura do contrato com a empresa que vai construir a UMC - Assessoria
Reunião, em Brasília, para assinatura do contrato com a empresa que vai construir a UMC – Assessoria

Na última semana, em Brasília, foi assinado contrato entre o hospital, a Ebserh e a construtora vencedora da licitação

O Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados (HU-UFGD) está prestes a iniciar sua maior obra de infraestrutura desde que foi construído, há mais de dez anos. Na última semana, em Brasília (DF), foi assinado contrato com a empresa vencedora da licitação para a construção da Unidade da Mulher e da Criança (UMC), prédio anexo ao hospital, que terá mais de 9 mil metros quadrados, e será voltado a atendimentos nas áreas de Ginecologia, Obstetrícia, Pediatria e Neonatologia.

Com a presença do presidente da Empresa Brasileira de Serviços Hospitalares (Ebserh), Kleber Morais, e da superintendente do HU-UFGD, Mariana Croda, foram assinados os documentos que contratam a Construtora LDN para a execução das atividades, que se iniciam ainda em 2017. E para formalizar publicamente o lançamento da obra, está agendada para o dia 31 de julho a visita de Morais e do ministro da Educação, Mendonça Filho, a Dourados.

Em audiência, também na semana passada, o ministro garantiu à superintendente do HU-UFGD e ao deputado federal Geraldo Resende, o repasse de recursos que chegam ao montante de R$ 34 milhões, dos quais R$ 10 milhões já estão empenhados para o início da obra. Esse aporte financeiro é oriundo do Ministério da Educação (MEC) e da Ebserh.

Para a gestora do HU-UFGD, vencer as etapas iniciais de captação de recursos e exigências burocráticas representa um grande avanço. “Para nós é uma vitória, pois há anos estamos alertando sobre a insuficiência de leitos na linha materno pediátrica na macrorregião de Dourados. Essa Unidade vai permitir não apenas que aprimoremos o atendimento à população, mas também aponta para possibilidades de ampliar as atividades de ensino e pesquisa, que são inerentes ao Hospital Universitário. Tudo isso se deve à ação da Ebserh e do Ministério da Educação, e também ao empenho dos parlamentares de Mato Grosso do Sul, em especial o deputado Geraldo Resende, que trabalha arduamente para ver esta obra saindo do papel”, comenta.

Sonho antigo

A obra da UMC é um projeto que teve início em 2009. Desde então, várias tentativas de se começar a construção foram feitas, mas esbarraram em questões financeiras e burocráticas, que impediram a utilização dos recursos outrora garantidos, sobretudo na execução do projeto original.

Em maio de 2015, no entanto, uma parceria da Ebserh com a UFGD e o Escritório das Nações Unidas de Serviços para Projetos (Unops), trouxe de volta a possibilidade de se efetivar a obra. Com o investimento de R$ 1,1 milhão, proveniente do Programa Nacional da Reestruturação dos Hospital Universitários Federais (Rehuf), a Unops participou da gestão e elaboração de todos os projetos de arquitetura e engenharia, que foram entregues em 2016.

Desde então, é realizado um trabalho conjunto entre a Ebserh, a UFGD e a bancada de parlamentares de Mato Grosso do Sul junto ao governo federal, para garantir o recurso necessário à execução da obra. Foram disponibilizadas pelo MEC verbas de emendas de deputados e senadores como forma demonstrar o compromisso para atender a uma necessidade urgente de toda a macrorregião de Dourados.

O chefe do Setor de Infraestrutura Física do HU-UFGD, Thiago Augusto Betiati, explica que o projeto elaborado tem como objetivo principal ampliar a capacidade de serviços já existentes na instituição, através de uma infraestrutura que ofereça maior conforto e segurança aos pacientes e colaboradores.

A edificação contará com tudo que é boa prática em infraestrutura hospitalar e sustentabilidade, como climatização 100% centralizada, sistema de aproveitamento de energia térmica solar, aproveitamento de águas pluviais, energia elétrica ininterrupta e sistemas eletrônicos especiais, como IT-Médico, chamada de enfermagem, circuito fechado de TV, sonorização, detecção e alarme de incêndio, monitoramento e segurança no acesso.

O novo projeto

A obra será executada em etapas, de forma modular, ou seja, ao ser concluída cada fase, o espaço já pode ser usufruído, sem interferir na fase seguinte. A primeira etapa, portanto, terá início neste segundo semestre, após o detalhamento do planejamento das atividades, que devem durar 24 meses.

Será uma edificação com área construída de 6.370,68 metros quadrados, além de 18 mil metros quadrados de urbanismo (estacionamento, pavimentação, paisagismo, passeio e guaritas) e infraestrutura completa.

Com a primeira etapa concluída, a UMC ofertará 55 leitos e serviços de pronto-atendimento pediátrico, pronto-atendimento obstétrico, alojamento conjunto da maternidade, Centro de Parto Normal com cinco quartos PPP (Pré-parto, Parto e Pós-parto), Centro Obstétrico com quatro salas cirúrgicas, Ambulatório Pré-Natal de Alto Risco, além de estruturas de apoio, como sala de plantão, área de apoio a Ensino e Pesquisa, brinquedoteca e área de convivência, com café e recepção geral.

A segunda etapa consiste em uma área construída de 3.304,42 metros quadrados, que abrigará futuramente mais 80 leitos, distribuídos entre as Unidades de Terapia Intensiva (UTIs) Pediátrica e Neonatal, Unidades de Cuidados Intermediários (UCIs), além de estruturas de apoio, como Banco de Leite Humano, Ambulatório Segmento Recém-Nascido, plantão e apoio ao Ensino e Pesquisa. O tempo de obra estimado para a segunda etapa é de 12 meses.

Parte da obra ocupará uma parcela da área doada no ano passado pelo governo do Estado de Mato Grosso do Sul, que fica no entorno do hospital, formando um cinturão verde de aproximadamente nove hectares.

A empresa contratada

A empresa vencedora da concorrência foi a Construtora LDN, que tem sede em Brasília (DF) e conta com 30 anos de experiência no ramo da construção civil. A modalidade de licitação foi o Regime Diferenciado de Contratação Eletrônico (RDC Eletrônico) e o critério de julgamento foi o Menor Preço Global.

O custo total da obra, incluindo as duas etapas, é estimado em R$ 51.404.671,72, portanto, a verba destinada pelo MEC e pela Ebserh será suficiente para conclusão da primeira parte do prédio, já que a empresa venceu o processo licitatório apresentando orçamento de R$ 33.993.107,31.

Sobre a Ebserh

Desde setembro de 2013, o HU-UFGD é filiado à Ebserh, estatal vinculada ao MEC, que administra atualmente 39 hospitais universitários federais. O objetivo é, em parceria com as universidades, aperfeiçoar os serviços de atendimento à população, por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), e promover o ensino e a pesquisa nas unidades filiadas.

O órgão, criado em dezembro de 2011, também é responsável pela gestão do Programa Nacional de Reestruturação dos Hospitais Universitários Federais (Rehuf), que contempla ações nas 50 unidades existentes no País, incluindo as não filiadas à Ebserh.