Formação de profissionais especializados para atender a população materno infantil é o foco das novas residências do HU-UFGD – Divulgação

Enfermagem Obstétrica e Saúde Materno Infantil são as novas oportunidades de pós-graduação ofertadas pelo HU-UFGD para enfermeiros, psicólogos, nutricionistas e fisioterapeutas. Inscrições vão até 8 de fevereiro

Lançadas na última semana, as novas residências em Enfermagem Obstétrica e Saúde Materno Infantil do Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados (HU-UFGD) são reflexo da evolução da missão institucional em promover assistência à saúde de maneira indissociável do ensino, da pesquisa e da extensão. Com 14 vagas abertas, os programas visam formar profissionais especializados para atender à população materno infantil, hoje configurada como a maior demanda assistencial da região.

Consolidado como polo estratégico em saúde pública na macrorregião, o HU-UFGD abriga a única “porta aberta” para atendimento às internações e urgências ginecológicas e obstétricas de Dourados, sendo a referência para casos de alto risco. Além disso, abriga a única Unidade de Terapia Intensiva (UTI) Pediátrica da região e, ainda, leitos de Enfermaria Pediátrica, UTI Neonatal e Unidade de Cuidados Intensivos Neonatal.

Pleiteados pela Gerência de Ensino e Pesquisa do hospital junto ao Ministério da Educação (MEC), os cursos visam suprir a crescente necessidade por recursos humanos nas unidades de saúde de Mato Grosso do Sul e, também, por educação continuada para profissionais de saúde de áreas multiprofissionais como Enfermagem, Nutrição, Psicologia e Fisioterapia.

As inscrições estão abertas até o dia 8 de fevereiro, próxima quinta-feira, e devem ser feitas pela internet, neste link, onde também se encontra o edital com todas as informações do processo seletivo. Conforme o cronograma, o resultado final da seleção deverá ser publicado dia 21 de fevereiro, o período de matrículas irá até dia 26 de fevereiro e as aulas terão início em 1º de março.

Enfermagem Obstétrica: 6 vagas para enfermeiros (as)

A assistência à saúde da mulher é um tema de grande relevância que vem sendo transformado nas últimas décadas, em função da necessidade do resgate das práticas humanizadas de parto e nascimento, principalmente. Fatores como o alto índice de cesáreas, a mortalidade materna, a morbidade materna e neonatal e o desmame precoce, exigem intervenções políticas nos programas de saúde implantados no País.

Dentro desse universo, o cuidado oferecido por enfermeiros e enfermeiras obstétricos colabora na redução da incidência dos itens citados e busca ser o menos invasivo possível, aumentando a satisfação da mulher com a experiência vivida e privilegiando o bem-estar da mãe e do bebê, levando em conta os processos fisiológicos, psicológicos e socioculturais.

O objetivo da residência, portanto, é formar profissionais com perfil humanístico e ético, capazes de atuar como colaboradores na mudança do modelo de atenção ao parto e ao nascimento.

Entre outras atividades, enfermeiros e enfermeiras obstétricos estarão aptos a realizar consultas de pré-natal, puerpério e saúde sexual e reprodutiva; identificar e encaminhar gestantes de alto risco ao pré-natal adequado; sustentar a prática da Enfermagem Obstétrica na atenção ao parto e ao nascimento no âmbito da unidade obstétrica; prestar assistência ao trabalho de parto, parto e puerpério; oferecer atenção humanizada, ética e reflexiva nos cuidados com gestantes, parturientes e puérperas; prestar cuidados imediatos ao recém-nascido na sala de parto, protegendo o período sensível e demonstrando habilidade na reanimação neonatal.

A formação completa tem duração de dois anos, sendo a carga horária dividida em 1.170 horas teóricas e teórico-práticas e 4.590 horas correspondentes à prática em si (treinamento em serviço). Dentro do programa, os residentes atuarão no Pronto Atendimento de Ginecologia e Obstetrícia (PAGO), na Clínica Obstétrica e no Centro Obstétrico, setores internos do HU-UFGD, e em unidades externas como o Núcleo de Apoio ao Programa Saúde da Família, Unidades Básicas de Saúde, Pronto Atendimento Infantil, Centro de Atendimento à Mulher e Hospital e Maternidade Porta da Esperança da Missão Evangélica Caiuá.

Saúde Materno Infantil – 8 vagas para enfermeiros (as), psicólogos (as), nutricionistas e fisioterapeutas

Paralela à Residência em Enfermagem Obstétrica, a formação em Saúde Materno Infantil também tem como foco a assistência especializada a mulheres e crianças, de forma que os profissionais atuem dentro das diretrizes da integralidade e do modelo de vigilância em saúde do Sistema Único de Saúde (SUS).

A cidade de Dourados, hoje, é referência no atendimento a gestantes, puérperas, lactentes e crianças com microcefalia, o que torna importante a qualificação do atendimento, tanto do ponto de vista pedagógico como social. As questões pedagógicas estão voltadas à busca de consolidação do modelo de atenção integral à população, por meio do ensino multiprofissional e interdisciplinar, e as questões sociais estão ligadas ao atendimento da demanda materno infantil do município, cuja rede pública de saúde assiste a pacientes de 33 municípios.

Um dos objetivos específicos é formar trabalhadores com competências antropológicas, políticas, clínicas e epidemiológicas, promovendo a atuação de equipes multiprofissionais em estratégias de intervenção, de promoção de saúde, de prevenção de fatores de risco e de atenção curativa, resguardadas as características de cada uma das diferentes áreas do conhecimento envolvidas.

Assim como na Residência em Enfermagem Obstétrica, a pós-graduação tem duração de dois anos e a carga horária se divide em horas teóricas, teórico-práticas e práticas, totalizando 5.760 horas. Dentro do programa, os residentes atuarão na esfera hospitalar do HU-UFGD, e em unidades externas como o Núcleo de Apoio ao Programa Saúde da Família, Unidades Básicas de Saúde, Pronto Atendimento Infantil, Centro de Atendimento à Mulher e Hospital e Maternidade Porta da Esperança da Missão Evangélica Caiuá.