No Ministério da Saúde, Geraldo busca solução para a oncologia de Dourados

Geraldo Resende com Sandro José Martins, do Departamento de Atenção Especializada do Ministério da Saúde - Divulgação
Geraldo Resende com Sandro José Martins, do Departamento de Atenção Especializada do Ministério da Saúde – Divulgação

Deputado volta a defender a transferência do serviço de oncologia para o Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados (HU/UFGD)

O deputado Geraldo Resende (PSDB) esteve na tarde desta terça-feira (15), ao Ministério da Saúde, onde solicitou um posicionamento da Pasta para resolver a situação do serviço de oncologia em Dourados. A reunião foi com Sandro José Martins, coordenador geral de Atenção às pessoas com Doenças Crônicas do Departamento de Atenção Especializada do Ministério.

Para Geraldo Resende o ideal seria a transferência do serviço de oncologia para o Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados (HU/UFGD). “O HU tem profissionais concursados, capacitados e estrutura para o atendimento em oncologia. O Hospital da Cassems não tem vocação para o atendimento desses pacientes usuários do SUS”, afirmou.

O serviço de atendimento a pacientes com câncer foi judicializado e o Hospital dos servidores públicos do Estado ficou responsável para o atendimento aos pacientes.

Por sua vez, Sandro Martins defendeu a reorganização do Hospital do Câncer de Dourados, departamento do Hospital Evangélico, que atendia o serviço de alta complexidade em oncologia. “Paralelo a reorganização do Hospital Evangélico, a habilitação do Hospital Universitário para o atendimento também seria uma saída interessante para o município”.

O deputado reafirmou que continuará lutando para que Dourados e Três Lagoas voltem a ser contemplado no Plano de Expansão da Radioterapia. “Todos sabem que não desisto nunca. Apesar da grande frustração da exclusão de Dourados e Três Lagoas do Plano de Expansão por causa de erros das antigas gestões, acredito que contemplar esses municípios, assim como Corumbá, com acelerador linear vai favorecer a regionalização do serviço, desafogar Campo Grande, ofertar maior conforto e qualidade para os pacientes que moram nas regiões desses municípios”, finalizou.