Home Rural Na reabertura de indústria sucroenergética em Naviraí, diretor do Senai garante capacitação...

Na reabertura de indústria sucroenergética em Naviraí, diretor do Senai garante capacitação de trabalhadores

Ao participar na quinta-feira (14/06) da cerimônia de reabertura da indústria sucroenergética Rio Amambai Agroenergia, localizada no município de Naviraí, o diretor-regional do Senai, Rodolpho Caesar Mangialardo, destacou que a volta das atividades da empresa significa a retomada do desenvolvimento industrial da região e colocou a instituição à disposição na área de qualificação de trabalhadores para atender as demandas da unidade.

A Rio Amambai Agroenergia, que antes pertencia ao Grupo Infinity, agora recebe investimentos do fundo investidor norte-americano Amerra e espera alcançar uma produção anual de 3,2 milhões de toneladas de açúcar nos próximos três anos. “Com a retomada das atividades, serão gerados cerca de 1.000 novos postos de trabalho locais, o que representa mais renda para a população do município e, consequentemente, mais desenvolvimento”, avaliou Rodolpho Mangialardo.

Além disso, completa o diretor-regional, o Senai já está trabalhando em parceria com a empresa, oferecendo cursos técnicos e de qualificação profissional para capacitar os novos trabalhadores e consultorias nos processos produtivos da indústria sucroenergética, que podem ainda trazer redução de custos, melhorias em produtividade e maior competitividade.

De acordo com o presidente da Biosul (Associação dos Produtores de Bioenergia de Mato Grosso do Sul), Roberto Hollanda, a Rio Amambai Agroenergia vai produzir etanol e açúcar e passa a integrar o grupo de 19 usinas em operação em Mato Grosso do Sul. “O Estado consome 46 milhões de toneladas de cana-de-açúcar por ano e a nova unidade abre as portas em um bom momento e com ótimas perspectivas de produção”, ressaltou.

O secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, destacou que o papel do Governo do Estado é de apoiar, permitir e facilitar empreendimentos como esse. “Essa reabertura da indústria sucroenergética é mais um resultado da política de atração de investimentos adotadas pelo Governo do Estado desde 2015. Obrigado por confiarem novamente no Estado e digo que nós acreditamos nesse empreendimento e por isso apoiamos”, declarou.

Já o representante da Amerra, Rogério Martins, informou que para a retomada das atividades a unidade recebeu investimentos no valor de US$ 90 milhões e apoio com incentivos fiscais por parte do Governo do Estado. “Também foram cultivados 18 mil hectares de cana-de-açúcar para manter a indústria sucroenergética e na safra de 2018/2019 o consumo já deve subir para 2,1 milhões de toneladas”, projetou.

Sair da versão mobile