A celulose representa cerca de 43% das exportações do Estado – Divulgação/Fiems

Os resultados no comércio exterior de Mato Grosso do Sul apresentaram um superávit de US$ 830 milhões no acumulado de janeiro a abril de 2019. Segundo as informações da Carta de Conjuntura do Setor Externo, divulgada pela Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro), o desempenho foi 0,28% inferior ao verificado no mesmo período de 2018, quando o superávit foi de US$ 832 milhões. Clique aqui para fazer o download da Carta de Conjuntura do Setor Externo do mê de abril de 2019.

As cotações do dólar no mês de abril em relação a março apresentaram valorização da moeda, chegando a taxa média de abril ficar em R$ 3,89, cerca de 1,29% acima da taxa média de março. Em relação a abril do ano passado, a moeda brasileira acumulou uma desvalorização de cerca de 14,34%, quando analisamos a taxa de câmbio média do mês.

“A tendência nacional foi de queda no superávit no primeiro quadrimestre deste ano, mas mesmo com um leve recuo em relação a 2018, o saldo de superávit em Mato Grosso do Sul ficou em US$ 830 milhões. Esse resultado, em grande parte, foi impulsionado pela expansão da celulose (24,34%) representando cerca de 43% das exportações do Estado”, comenta o secretário em exercício da Semagro, Ricardo Senna.

A soja, embora seja o segundo produto com queda de 31,39%, apresentou queda em relação ao mesmo período do ano passado, representando 23,37% da pauta das exportações. Em termos de destino, a China segue com 41% das exportações e em segundo lugar com 6,52% os Estados Unidos.  Houve aumento na concentração de participação de Três Lagoas participando com 53,56% das exportações puxada pela alta na Celulose.

Em relação aos produtos importados, o Estado continuou com uma pauta concentrada na importação de gás boliviano, representando 53,39% da pauta de importações em janeiro a abril de 2019, abaixo dos valores verificados no mesmo período de 2018 em 3,28%.