Procuradora Priscila Moreto reforçou preocupação institucional em desobstruir as barreiras de comunicação que a sociedade brasileira ainda possui em relação à pessoa com deficiência   

O curso “Língua Brasileira de Sinais (Libras) – Contexto Empresarial/2019”, nível básico, teve sua culminância na última quinta-feira (8), com a formatura de 53 pessoas em cerimônia realizada na capital Campo Grande.

A iniciativa é fruto de parceria entre o MPT-MS, o Tribunal Regional do Trabalho da 24ª Região, a Superintendência do Trabalho/Ministério da Economia e a Fundação Social do Trabalho de Campo Grande (Funtrab).

Dirigindo-se à plateia de formandos e familiares, a procuradora Priscila Moreto de Paula falou sobre o protagonismo do MPT-MS na destinação de valores a projetos de cunho social, como este, mediante indenizações aplicadas a empresas por descumprimento da legislação trabalhista. “Visamos ao menos reparar um pouco o dano causado à coletividade e esta é uma medida apta a minimizar as barreiras de comunicação que a sociedade brasileira como um todo ainda possui em relação à pessoa com deficiência”, sustentou, elogiando na sequência diversos colaboradores que contribuem para ampliar a comunicação inclusiva.

Priscila Moreto também reforçou a preocupação institucional em desobstruir os limites que ainda imperam na sociedade, a qual classificou como verdadeira deficiente por não ter se adaptado ainda “às peculiaridades de longo prazo e de natureza física, mental, intelectual ou sensorial que alguns indivíduos possuem”.

A procuradora disse que os formandos, ao aprenderem a se comunicar pela língua de sinais, poderão saborear a experiência de interagir com o universo de pessoas com deficiência que utilizam a libras. “Vocês deram um importante passo para implementar a igualdade de condições e de oportunidades e combater a discriminação existente em relação às pessoas com deficiência, especialmente no ambiente de trabalho”, concluiu.

Além da procuradora, prestigiaram o evento de formatura a juíza do Trabalho e representante da Comissão de Acessibilidade da 24ª região, Dea Marisa Cubel Yule, o superintendente do Trabalho, Kleber Pereira de Araújo e Silva, o coordenador da Fiscalização de Inserção das Pessoas com Deficiência e dos Reabilitados pelo INSS no Mercado de Trabalho, auditor-fiscal Douglas Ferreira Santos, e a assessora técnica da Superintendência Eliene Rodrigues de Souza.

A Funtrab cedeu o espaço para a realização do curso (Escola Técnica ABC) e ficou responsável pela certificação dos alunos. Já a capacitação foi ministrada por duas professoras com deficiência auditiva – Ana Cláudia Januário Leonel e Kariane Kássia Souza de Oliveira.