Mesmo com aulas remotas, Escolas do Sesi mantém índice de qualidade e 97,9 % de participação dos alunos

As aulas nas sete Escola do Sesi em Mato Grosso do Sul – Aparecida do Taboado, Campo Grande, Corumbá, Dourados, Maracaju, Naviraí e Três Lagoas – permanecem em sistema remoto respeitando mais um decreto estadual, que estabelece medidas de biossegurança e restrições de circulação, para o combate a pandemia provocada pela Covid-19. Mesmo estudando em casa, os 2.879 alunos da Rede de Ensino Sesi MS estão mantendo bons índices de frequência, com 97,9% de participação nas aulas remotas.

O gerente de educação da Fiems, Josebene Lima de Moura Filho, explicou que toda a Rede de Ensino do Sesi no Estado está empenhada em garantir a qualidade do ensino, mesmo com aulas remotas. “A nossa prioridade é a segurança dos nossos alunos, profissionais, gestores e pais. Temos também como prioridade a entrega de um ensino de qualidade, com ferramentas tecnológicas atualizadas para que nossos docentes possam entregar a melhor aula remota possível”, explicou Josebene Filho.

A necessidade de aulas remotas já foi vivenciada em 2020 no início da pandemia, por isso toda Rede de Ensino estava preparada pra atender as demandas no início de mais um ano letivo, como explica a analista técnica de educação do Sesi, Glaucia Campos. “Estamos novamente enfrentando um momento difícil por conta da pandemia, mas isso não é motivo de deixarmos nossos alunos desanimados, continuamos dando suporte pedagógico, aulas ao vivo e seguindo o calendário anual. Temos uma presença muito significativa diariamente dos alunos participando das aulas e interagindo com nossos professores”, destacou Gláucia Campos.

Para a diretora da Escola do Sesi de Naviraí, Paula Nudimila de Oliveira Silva, conta que o ensino remoto é um desafio para docentes e estudantes e que as plataformas de ensino utilizadas pela Rede Sesi MS foram de extrema importância para o sucesso das aulas. “Em um ano letivo atípico, contar com plataformas de ensino modernas fez a diferença para mantermos a qualidade do ensino. E podemos ver os resultados no bom desempenho dos nossos alunos que continuam a frente, sendo aprovados em grandes vestibulares e se colocando no mercado de trabalho de forma significativa”, explicou a diretora.

O acesso à internet ainda é uma dificuldade enfrentada pelos alunos, mas que com assistência individual e orientação dos docentes todos estão vencendo. Foi o que aconteceu no ano passado com o estudante da 2ª série do Ensino Médio na Escola do Sesi em Naviraí, Pedro Henrique Granzotti Scudeler. “Várias vezes tive problemas em participar das aulas por causa da minha internet, porém, gostei da maneira com que os professores trabalharam durante esse período, aprendi muitas coisas sobre computadores e muitos conteúdos novos. Muitos dizem que foi um ano perdido, mas para mim não foi, mesmo com diversos problemas durante as aulas online, consegui absorver o que os professores queriam passar e me sinto muito grato por eles estarem tentando ensinar os jovens num período tão difícil nas nossas vidas”, contou o estudante.

Opinião dividida com a aluna da 1ª série do Ensino Médio também da Escola do Sesi de Naviraí, Leandra Cerri Nabarro que falou sobre o esforço dos professores em manter a qualidade do ensino. “Conseguimos nos adaptar muito bem, os professores são sempre criativos e inovando para prender nossa atenção e incentivar nossos estudos”, explicou a aluna.

Alguns estudantes relatam ainda vantagens do ensino remoto nesse período de pandemia como uma maneira de incentivar a autonomia dos alunos, como explica o estudante da1ª série do Ensino Médio da Escola do Sesi em Naviraí, Samuel Horta de Faria. “Mesmo achando estranho tudo online, eu fui capaz de aprender o conteúdo passado. A aula online foi vantajosa pelo fato de ser um preparo para o futuro em que cada vez mais usaremos a internet para a conexão das pessoas e do conhecimento”, contou o estudante.

O decreto estadual que estabelece medidas mais restritivas termina no próximo domingo (04/04), mas o retorno presencial das aulas ainda não foi estabelecido, já que o decreto pode ser prorrogado de acordo com a análise das administrações estadual e municipais da evolução da doença.

O gerente de educação da Fiems, Josebene Lima de Moura Filho, reforça ainda as unidades de ensino seguem rigorosamente todos os decretos estaduais e municipais e que se prepara para o retorno das aulas em sistema híbrido assim que autorizado pelos órgãos competentes. “Estamos atentos com os decretos municipais e estadual para que a gente possa retornar o mais breve possível, em segurança, principalmente para os alunos de educação infantil e fundamental, que a gente sabe que têm um grande desafio nas aulas remotas”, finalizou.

Ano letivo 2021

As aulas na Rede de Ensino Sesi de Mato Grosso do Sul começaram no início de fevereiro de 2021 de forma híbrida, intercalando entre aulas presenciais e remotas, respeitando os decretos municipais e as medidas de biossegurança.

Todos os professores e colaboradores das sete unidades no estado passaram por testagens periódicas de Covid-19 como medida de segurança. Além disso, uma equipe técnica do SST (Saúde e Segurança no Trabalho) do Sesi elaborou todos os protocolos de biossegurança dentro das escolas e acompanha de perto a implantação e também investigação de casos suspeitos da doença.

Pais, alunos e colaboradores das escolas receberam orientações práticas das medidas de higienização e distanciamento social que precisam ser respeitadas dentro e fora das unidades educacionais para garantir a segurança de todos.

DEIXE UM COMENTÁRIO/RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.