Home Política Marcelo Mourão defende coalizão de autoridades governamentais para resolver caos na saúde...

Marcelo Mourão defende coalizão de autoridades governamentais para resolver caos na saúde pública

Marcelo Mourão afirmou que não adiantam audiências para discutir o que todos conhecem, e sim medidas efetivas para solucionar os problemas – Foto: Leandro Silva

O vereador Marcelo Mourão (PRP) defende uma coalizão entre os prefeitos da região Sul para cobrar dos governos Estadual e Federal medidas efetivas para resolver o caos na saúde pública. O pronunciamento foi feito na tribuna da Câmara, na sessão de segunda-feira (29).

“Muito se tem falado sobre a saúde em Dourados. É natural que todos nós estejamos preocupados, mas aí eu pergunto aos senhores: quantas vezes os prefeitos de Vicentina, Fátima do Sul, Itaporã, Novo Horizonte do Sul, Ponta Porã, Naviraí ou de Capitán Bado, no Paraguai, fizeram alguma ação efetiva e direta para contribuir aqui com o Hospital da Vida? Mudam-se as pessoas, mas a novela é a mesma. Como que resolve isso? Eu sinto falta da senhora prefeita [de Dourados] liderar essa discussão. O que adianta uma audiência pública aqui para resolver nada com coisa nenhuma? Quanto dinheiro vai colocar, que dia vai pagar e como vai pagar, essa é a discussão que a gente precisa fazer. Os problemas todos nós já sabemos, mas e a solução disso?”, questionou o vereador.

Ele apontou que apesar da falta de representatividade de Dourados e região no Congresso, a atual conjuntura política, em que o secretário de Estado de Saúde é douradense e o ministro da Saúde é de Mato Grosso do Sul, pode ser propícia caso haja compromisso dessas autoridades governamentais em solucionar a questão. “Se não se resolver ou minimizar o sofrimento das pessoas, então quando vai acontecer um milagre? Não tem varinha mágica na administração pública”, afirmou.

Segundo o vereador, ontem chegou a ele uma denúncia de que 60 ex-funcionários do Hospital Regional estariam sem receber há, pelo menos, dois meses: “Pedi para quantificar quantos são e quem são, porque a gente precisa tratar as questões com documentos. Então não é só o Hospital da Vida; é a obra do PAM que a empresa abandonou, está a passo de tartaruga e não resolve aquilo. Ou seja: é uma série de coisas que a gente precisa pensar”.

Marcelo Mourão tem afirmado, em várias oportunidades, que além da liberação de recursos, é preciso uma gestão mais séria e mais comprometida com a vida das pessoas.

Sair da versão mobile