Edmilson Canale, coordenador DSEI-MS, e Wanderley Guenka, chefe do DIASI, durante assinatura dos contratos - Foto: Dirceu Martins
Edmilson Canale, coordenador DSEI-MS, e Wanderley Guenka, chefe do DIASI, durante assinatura dos contratos – Foto: Dirceu Martins

O Departamento Sanitário Especial Indígena de Mato Grosso do Sul (DSEI-MS), assinou contratos de execução de obras de melhoria e ampliação do Sistema de Abastecimento de Água para as aldeias Sete Cerros em Paranhos; aldeia Sassoró em Tacuru e aldeia Lalima em Miranda no valor total de R$ 1.548.876,78.

Com esse investimento serão sanados os problemas de saneamento que se iniciam nessas aldeias. Para a aldeia Sete Cerros foram disponibilizados R$ 553.316,75; para a aldeia Sassoró, R$ 687.515,68; e para a aldeia Lalima R$ 308.044,35. Conforme definido em projeto do Setor de Saneamento Indígena do DSEI-MS.

A Secretaria Especial de Saúde Indígena do Ministério da Saúde entende que o saneamento é a melhor forma de proporcionar saúde plena para a população de forma geral e, indígena, dadas as suas peculiaridades de habitação – distância entre as residências, região rural etc.

Os projetos foram possíveis em função do empenho da atual coordenação do DSEI que tem visitado as aldeias e mantido diálogo com caciques, capitães e lideranças, além da cooperação com o CONDISI (Conselho Distrital de Saúde Indígena).

Um dos fatores mais importantes da saúde são as condições ambientais que, quando insalubres, ocasionam várias doenças. A cada R$ 1,00 investido em saneamento economiza-se R$ 4,00 em saúde, além de aumentar a autoestima por saberem-se atendidos em suas justas reivindicações.