Longen lança em Três Lagoas o Programa Apoio Produtivo – Associativismo Atuante

O presidente da Fiems, Sérgio Longen, lançou, nesta quinta-feira (14), em Três Lagoas (MS), o Programa Apoio Produtivo – Associativismo Atuante para fortalecer o setor industrial com foco no suporte sindical e corporativo. “O Sistema Fiems procura cumprir com a demanda no setor industrial e melhorar o apoio às empresas. Como somos entidades classistas, o associativismo é necessário para integrar os sindicatos de base, as indústrias de cada segmento”, pontuou.

Ele acrescenta que a Fiems tem trabalhado para fomentar o desenvolvimento da indústria e, por meio dos sindicatos, pretende criar esse relacionamento. “Estando organizados para funcionarmos melhor. Todos os sindicatos, por meio da Fiems, poderão oferecer assessorias, cursos e qualificações às empresas do seu segmento e, para isso, elas devem ser associadas aos sindicatos”, afirmou.

Longen ressalta que o associativismo é o caminho para o crescimento e desenvolvimento. “Nós precisamos desenvolver o processo associativo, a empresa que se associar aos sindicatos terá acesso aos serviços do Sistema Fiems gratuitamente. Então quem estiver dentro do associativismo contribui com as demandas de cursos relacionadas aos sindicatos de base de representatividade”, disse.

O superintendente do Sebrae/MS, Cláudio Mendonça, destacou que, no momento em que há mudanças por acontecer, cada vez mais se faz necessário fortalecer a base. “Essa proposta mostra a importância do sistema sindical e dos serviços oferecidos. Esse é o momento de criar oportunidades, por isso, cada vez mais é importante dizer aos empresários o que cada instituição faz. Nós trabalhamos nas instituições para que possamos realmente nos fortalecer e ter ganhos. Assim parabenizo os representantes sindicais porque juntos proporcionam um ambiente favorável ao desenvolvimento”, falou.

Capacitação

Carlos Alberto Venegas, gerente-corporativo de recursos humanos da Metalfrio, ressalta que na visão de profissional de RH fazer parte de um grupo organizado, fortalece o cenário industrial, à medida que capacita os profissionais disponíveis na região. “O programa vem com uma proposta de construção de valor e utiliza os recursos do sistema para desenvolver o capital humano das empresas por meio do associativismo com a valorização do seu sindicato”, destacou.

O gerente de recursos humanos da Eldorado Brasil, Emílio Poffo Neto, o associativismo entende a vocação industrial da região e proporciona o relacionamento entre pessoas que impulsionam o setor. “Esse trabalho melhora também a qualidade de vida das pessoas à medida que capacita e, portanto, dá suporte a melhores oportunidades de atuação no mercado porque o programa dá as empresas acesso aos serviços”, explicou.

O gerente de produção da Cortex, Flavio Belli, acredita que o programa é uma oportunidade para as empresas usufruírem dos serviços do Sistema Fiems. “Acredito que hoje, algumas empresas ainda não conseguem utilizar os serviços por desconhecimento. Estando integradas a um grupo, podem ter melhor desempenho em relação a busca de qualificação. Se o empresário investe no associativismo ele buscará consumir os serviços e perceberá com certeza uma melhora em produtividade”, comentou.

Mais fortes

Representando os sindicatos industriais de Três Lagoas, o diretor do Simemae/MS (Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico de Mato Grosso do Sul), Nilvo Della Senta, afirma que o programa fortalece a relação entre sindicatos e empresas porque entende a necessidade de união dos setores para o desenvolvimento. “Juntos entendemos o que cada um precisa e identificamos com certeza necessidades semelhantes, desta forma entender como o sistema pode nos acolher e auxiliar. Assim criar soluções práticas para o desenvolvimento”, declarou.

Fabrício Garcia, diretor da Sinpacems (Sindicato das Indústrias de Papel e Celulose do Estado), ressalta a importância da união de ideia. “O associativismo vem ao encontro do cenário atual em que a contribuição sindical deixou de ser obrigatória, porque unidos sindicatos e indústrias podem buscar ações que proporcione melhorias aos trabalhadores e ao meio corporativo como um todo”, explicou.

Julião Gaúna, presidente do Sindigraf/MS (Sindicato das Indústrias Gráfica do Estado), falou da importância da união sindical por meio do associativismo. “Hoje não podemos pensar em trabalhar sozinhos. Juntos realmente é o melhor caminho. Portanto o programa é uma ferramenta ótima para que os trabalhadores se sintam abraçados pelos sindicatos”, disse.

O presidente da Siams (Sindicato das Indústrias de Alimentos do Estado), Luiz Mendonça entende que o programa visa a aproximação das empresas e sindicatos. “Muitas empresas desconhecem seu sindicato e não o enxerga como aliado. Assim é importante ressaltar o que os sindicatos oferecem de benefícios por meio do associativismo”, declarou.

Amarildo Melo, presidente do Sinduscon/MS (Sindicato Intermunicipal das Indústrias da Construção do Estado), afirma que o programa cria uma política de integração fortalecendo o setor. “Jutos tratamos dos assuntos com maior paridade, só assim crescemos e fortalecemos o setor”, disse.

O Programa

Em Três Lagoas, as atividades do programa foram iniciadas em setembro, quando os consultores começaram as visitas nas empresas E constatou-se a existência de 170 efetivamente ativas, entre associadas e não associadas, contendo 9.590 funcionários. Por meio do Programa, o Sistema Fiems junto com o Sebrae/MS, vai oferecer cursos de capacitação, de educação profissional para trabalhadores das indústrias cadastradas.

Após o lançamento do Apoio Produtivo – Associativismo Atuante, os empresários tiveram a oportunidade de conhecer os serviços disponibilizados pelo Sesi, Senai e IEL, além de assinar o Termo de Compromisso ao Programa.