Em junho município criou 128 novos empregos e liderou em Mato Grosso do Sul; resultado do primeiro semestre também é bom

Grupo investiu e transformou o supermercado São Francisco em hiper Center - Foto: A. Frota
Grupo investiu e transformou o supermercado São Francisco em hiper Center – Foto: A. Frota

Com a indústria e o comércio estagnados no Brasil, as maiores cidades patinam na criação de emprego. Em Dourados, entretanto, a situação é diferente graças à diversificação da economia. Com isso, a cidade vem se despontando na criação de novos empregos.

Em junho, por exemplo, Dourados liderou a criação de empregos em Mato Grosso do Sul, abrindo 128 novas vagas. Campo Grande, a capital do Estado, criou apenas 10 empregos. Três Lagoas e Corumbá fecharam postos de trabalho ao invés de criar. A maior cidade do Bolsão extinguiu 807 empregos e a capital do Pantanal fechou 10.

No acumulado do primeiro semestre o resultado de Dourados também é muito bom. Criou 1.671 novos empregos, contra 2.441 de Campo Grande, cidade que tem quatro vezes mais população que Dourados. Corumbá criou 407 empregos nestes primeiros seis meses e Três Lagoas fechou 3.044 vagas.

A estabilidade da economia em Dourados e a criação constante de emprego são resultados de uma proposta de diversificação da economia, adotada pelo prefeito Murilo desde o início do seu mandato, em fevereiro de 2011.

O prefeito criou o projeto Polo de Serviços do Setor Sucroenergético de Dourados e Região e o APL do Setor Metalmecânico, que atraiu para a cidade muitas empresas de manutenção industrial e revenda de insumos para a área industrial e comercial.

Ao mesmo tempo, a atual administração incentiva a área têxtil, com o APL de Lingerie Moda Dourada, o comércio, serviços e indústria em geral com a facilidade de abertura de empresas (Programa Alvará em 5 dias), o setor gastronômico e turístico com os festivais gastronômicos, além de outros projetos.

“O grande sucesso da economia de Dourados são os pequenos negócios”, diz Neire Colman, secretária de Desenvolvimento Econômico Sustentável. “São pequenas indústrias, lojas comerciais e empresas prestadoras de serviços que se instalam em Dourados de olho num mercado regional de 1 milhão de habitantes, se incluirmos também as cidades da fronteira com o Paraguai”.

Com seu Distrito Industrial em poder do governo do Estado e com os processos de infraestrutura prometidos travados há 4 anos, Dourados criou um novo distrito, em Vila Vargas, para médias empresas, que já está praticamente todo destinado. Agora aguarda o Estado para utilizar o Distrito Industrial principal. “Tenho quatro grandes empresas para colocar no distrito; é só liberar que trago para cá”, afirma o consultor na área de negócios Carlos Rezzi.

Nos últimos anos, centenas de franquias e lojas foram instaladas em Dourados, gerando milhares de empregos. Para atender a demanda de crescimento, as empresas reinvestem. O Grupo Cidade Canção, por exemplo, reformou e ampliou o Supermercado São Francisco, tornando-o no Hiper Center Dourados.

Além da ampliação do mercado, já começou a funcionar no complexo há dois meses uma moderna loja Avenida e na semana passada entrou em funcionamento um restaurante Subway. Outras lojas serão instaladas na área frontal aos caixas, gerando vários empregos em Dourados.