Tendência mundial em termos de produtos e subprodutos renováveis a partir da biomassa, uma das áreas de pesquisa do ISI Biomassa (Instituto Senai de Inovação em Biomassa), localizado no município de Três Lagoas (MS), chamou a atenção de representantes da indústria química do mundo todo, que, até o dia 19 de julho, estarão reunidos no Congresso Mundial de Química IUPAC 2017, realizado no WTC Sheraton, em São Paulo (SP).

Presente no evento, o diretor-regional do Senai, Jesner Escandolhero, avalia que o Congresso foi uma grande oportunidade de posicionar o Instituto Senai de Inovação em Biomassa como um importante player na área de pesquisas e desenvolvimento para a indústria química nacional. “Fui abordado por muitos empresários e representantes de diversas empresas nos parabenizando pelo nosso Instituto, interessados em todas vertentes em pesquisas em biomassa, que é uma tendência mundial. Se mostraram bastante abertos ao nosso portfólio de serviços, inclusive já com início de negociações”, destacou.

Jesner Escandolhero analisa que a equipe do Senai presente no Congresso conseguiu cumprir o objetivo da participação no evento. “Foi um encontro muito abrangente e considero que conseguimos cumprir nossos objetivos tanto de conhecimento, mas também de network. Além de trazer muitos subsídios para o desenvolvimento de novas pesquisas na nossa área de atuação, que é a biomassa”, analisou.

Em contato com representantes de diversos segmentos econômicos, o diretor-regional do Senai, acompanhado do diretor-técnico da instituição, Gilberto Schaedler, do gerente da área de tecnologia e inovação Leandro Schneider e da diretora do ISI Biomassa, Carolina Andrade, além de dez pesquisadores do instituto, apresentou o portfólio de serviços a potenciais parceiros.

Carolina Andrade ministrou, ainda, a palestra “Tecnologias de Conversão de Biomassa para Combustíveis, Químicos e Materiais”, durante o Seminário Abiquim (Associação Brasileira da Indústria Química) de Tecnologia e Inovação, que integra o congresso, e falou sobre as estratégias de transformação utilizadas no ISI Biomassa. A estimativa é que 3 mil pessoas da comunidade química do mundo todo passem pelo congresso, troquem experiências e apresentem seus serviços.

O Instituto

Com investimentos da ordem de R$ 26,4 milhões, o ISI Biomassa será oficialmente inaugurado em agosto, mas já está em pleno funcionamento, com a realização de análises para caracterização físico-química de diversos tipos biomassa e laboratórios da área química, microbiológica, biologia molecular, tratamento e preparo de matérias-primas e unidades de planta piloto para escalonamento de processos.

Escandolhero explica que a unidade permitirá a atualização e a qualificação dos pesquisadores para gerar conhecimento e desenvolver tecnologias inovadoras que atendam às necessidades atuais e futuras da indústria. “Com atuação transversal no campo da biomassa, o Instituto pretende atender a todos os setores da indústria e às demandas específicas de cada região do País em áreas como energias renováveis, cosméticos, fármacos e fármacos veterinários, alimentos para animais com combinação de biomassa para rações, química fina e resíduos industriais”, finalizou.