Inauguração de videomonitoramento em Naviraí reforça a segurança na fronteira de MS

Secretário José Carlos Barbosa e autoridades conhecem a sala de monitoramento do presídio de Naviraí – Foto: João Garrigó
Secretário José Carlos Barbosa e autoridades conhecem a sala de monitoramento do presídio de Naviraí – Foto: João Garrigó

O Governo do Estado, por intermédio da Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Mato Grosso do Sul (Sejusp), reforça a segurança dos municípios localizados nas regiões de fronteira. Nesta quinta-feira, 08, o governador Reinaldo Azambuja e o secretário da pasta, José Carlos Barbosa, oficializaram a operação do Sistema de Videomonitoramento do município de Naviraí, durante a solenidade de entrega de viaturas.

Ao todo, 10 câmeras de vídeo foram instaladas em pontos estratégicos a fim de coibir, prevenir e identificar autores dos principais crimes que ocorrem na região, como o tráfico de drogas, além de roubos e furtos de veículos. Para o governador Reinaldo Azambuja, o objetivo é monitorar a área de fluxo intenso na fronteira. “Vamos combater o contrabando de drogas, roubos, furtos, assassinatos, além de colaborar com a recuperação de veículos roubados”, disse.

José Carlos Barbosa destacou a capacidade do videomonitoramento em ajudar na investigação de crimes, além de colaborar na segurança preventiva realizada pelas polícias. “São 10 câmeras que ajudam as forças de segurança nas intervenções preventivas e repressivas realizadas em uma extensa área”, afirmou.

O Sistema de Videomonitoramento em vias públicas foi implantado em oito municípios de Mato Grosso do Sul que fazem fronteira com o Paraguai e Bolívia: Amambai, Bela Vista, Coronel Sapucaia, Corumbá, Dourados, Mundo Novo, Naviraí e Ponta Porã. Para instalar o videomonitoramento nas cidades foram investidos R$ 3,9 milhões dos governos Federal e Estadual, por meio de convênio com a Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp) do Ministério da Justiça. A implantação das câmeras faz parte da Estratégia Nacional de Segurança Pública (Enafron).

Com esse sistema, o Estado pretende combater a criminalidade, principalmente, no que tange aos crimes de tráfico internacional de drogas, armamento e munição que possuem altos índices de incidência nas regiões de fronteira seca com os países Paraguai e Bolívia.