Home Saúde Hospital Regional de Ponta Porã implanta novo fluxo de monitoramento para pacientes...

Hospital Regional de Ponta Porã implanta novo fluxo de monitoramento para pacientes da UTI

Novo fluxo melhora padronização de procedimentos e segurança no monitoramento dos pacientes; unidade é gerenciada pelo Instituto Acqua em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (SES)

UTI do Hospital Regional de Ponta Porã – Divulgação

A Unidade de Terapia Intensiva (UTI) do Hospital Regional Dr. José de Simone Netto, em Ponta Porã (MS), acaba de implantar o sistema de monitoramento checklist beira-leito. O checklist uniformiza a linguagem e serve como ferramenta para melhorar a comunicação entre equipes multidisciplinares, além de suscitar discussões técnicas com base em evidências científicas.

“Pesquisamos bastante e verificamos que as UTIs que adotaram o procedimento apresentaram melhorias importantes para o bem-estar dos pacientes. Implantamos o programa com o objetivo de aperfeiçoar a monitoração desses pacientes, durante o checklist todos da equipe se reúnem em volta do leito para discutir o melhor tipo de cuidado para cada caso específico. Também usamos um aplicativo para auxiliar esse processo, pois todos os dados ficam armazenados e os profissionais podem acompanhar as informações de forma integrada”, disse o coordenador de enfermagem da UTI, Cássio Humberto Rocha.

A unidade é gerenciada pelo Instituto Acqua em parceria com a Secretaria de Estado da Saúde (SES) e tem investido em tecnologia e práticas que promovam a segurança do paciente. Com o aplicativo Epimed UTI, profissionais têm acesso rápido às principais informações sobre o paciente, o que auxilia a equipe multidisciplinar e estimula a aderência às melhoras práticas de cuidado e prevenção de complicações em UTIs.

O médico intensivista e coordenador técnico da UTI, João Angelo Oselame Hoffmann, explicou que o novo fluxo traz impactos positivos de padronização e segurança dos pacientes.

“Em alguns estudos observou-se que houve diminuição no volume corrente usado na ventilação mecânica, o que traz menos risco de lesões pulmonares. A sedação pesada foi reduzida, o que melhora o prognóstico, e houve redução no tempo de uso de cateteres venosos centrais e sondas urinárias, medida importante para reduzir o risco de infecções. O checklist também influencia na diminuição da variabilidade nos cuidados com pacientes, uma das principais ferramentas para diminuir erros médicos”, afirmou.

A unidade de Terapia Intensiva do Hospital Regional de Ponta Porã conta com 12 leitos habilitados, 20 técnicos de enfermagem, cinco enfermeiros, cinco fisioterapeutas, 11 médicos intensivistas e quatro profissionais de higienização.

Sair da versão mobile