Desenvolvida no Japão há cerca de 15 anos, cirurgia de remoção de tumor ósseo é realizada com sucesso no Hospital Cassems de Campo Grande.

Cirurgia demora em média de quatro a seis horas, e foi realizada pela primeira vez na unidade hospitalar da Cassems de CG – Assessoria

Aos 20 anos, no auge da juventude e ainda curtindo a vida de recém-casado, Cleyton Miranda Costa descobriu um tumor cancerígeno no joelho direito. A notícia caiu como uma bomba na família e preocupou profundamente o avô de Cleyton, o “seo” Ramão Miranda, que na época tinha 75 anos. Muito simpático e alegre, o avô do rapaz explica que a família já sofreu muito por causa da doença e que havia perdido dois irmãos, em outras ocasiões, por causa do câncer. “Essa doença não deixa a minha família em paz. Sofri muito quando soube que meu neto estava com esse tumor, mas nunca perdi a esperança de ver ele curado”, relembra, com os olhos marejados.

O caminho em busca da cura tem sido longo e árduo. Durante dois anos, Cleyton fez tratamento quimioterápico, mas o tumor só aumentava e o prognóstico não era dos melhores. “Fomos em vários médicos e eles só me diziam que a única saída era amputar minha perna e eu não queria isso. Fui protelando a cirurgia. Eu não queria perder a minha vida”, conta Cleyton.

Em meio as dores e após alguns períodos sem nem poder andar, Clayton e a mãe, Elizabet Miranda, viram uma reportagem sobre uma cirurgia complexa, realizada há quatro anos em um paciente de 80 anos e que utilizava nitrogênio líquido para matar as células cancerígenas. A família, então, procurou o médico responsável por realizar essa técnica e foi feito o planejamento de como a cirurgia seria realizada. “O médico nos explicou tudo o que seria necessário. Como sou funcionária pública, solicitamos o material para a Cassems, que disponibilizou o que fosse necessário caso houvesse qualquer problema e fosse preciso chegar ao extremo, que era a amputação”, explica a mãe do rapaz.

Ressecção de tumor ósseo é o nome do procedimento realizado pelos médicos ortopedistas Rodrigo Laraya e Adriano Souza, no Hospital Cassems de Campo Grande. A cirurgia, que demora em média de quatro a seis horas, é pioneira em Mato Grosso do Sul e foi realizada pela primeira vez na unidade hospitalar da Cassems, na capital.

Assim como o nome, o procedimento também é complexo e cheio de etapas para que o paciente não tivesse o risco de ter a perna amputada. A técnica, desenvolvida no Japão, consiste em retirar um pedaço do osso, onde o tumor está alojado, e mergulhá-lo em nitrogênio líquido com temperatura de 195,8 graus negativos, para que o tumor seja queimado no gelo, matando as células doentes.

Como a temperatura normal do corpo humano é de 36 graus, é necessário mergulhar o osso no nitrogênio de forma bem lenta. Esse processo demora, em média 20 minutos. Depois de descansar por mais 20 minutos dentro do líquido congelante, o osso é retirado e fica em temperatura ambiente por outros 20 minutos. Todo esse tempo faz parte dos cuidados para evitar que o material se quebre por causa do congelamento. “Antes dessa técnica, nós retirávamos o osso doente e implantávamos uma prótese, ou nos casos mais graves, tínhamos que amputar o membro. Agora, podemos utilizar o osso do próprio paciente, sem que haja riscos de rejeição. O mais preocupante, no caso do Cleyton, era saber se o tumor estava envolvendo a artéria femural. Por isso, fizemos um planejamento minucioso para realizar o procedimento: caso não fosse possível extrair e limpar o osso, tentaríamos colocar a prótese e em último caso recorreríamos à amputação. Mas deu tudo certo e a cirurgia foi um sucesso”, explica o médico Rodrigo Laraya.

Após ficar um dia e meio na unidade de tratamento intensivo, Cleyton já pode desfrutar da companhia do avô, da mãe e da jovem esposa.