Governador Reinaldo Azambuja recebeu pesquisadores da UFMS e de Manitoba, do Canadá – Foto: Chico Ribeiro
Governador Reinaldo Azambuja recebeu pesquisadores da UFMS e de Manitoba, do Canadá – Foto: Chico Ribeiro

O Governo do Estado firmou parceria com duas universidades para promover o desenvolvimento dos povos indígenas oleiros que vivem em Mato Grosso do Sul, das etnias Kadiwéu, Terena e Kinikinau. Nesta quarta-feira (31.5), na Governadoria, o governador Reinaldo Azambuja e pesquisadores das universidades Federal de Mato Grosso do Sul (UFMS) e de Manitoba, do Canadá, assinaram protocolos de intenções que visam duas formas de intercâmbio: uma científico, técnico e cultural e outra de pós-graduação.

Na prática, a assinatura dos documentos representa o primeiro passo para a formalização de futuras atividades acadêmicas em conjunto. “E essas atividades poderão ser desenvolvidas nos mais diversos aspectos, seja na área de pesquisa, já envolvendo alunos de mestrado e doutorado nas áreas afins, como antropologia, filosofia, saúde e outras; como também no desenvolvimento de cursos em conjunto com outras universidades”, explicou a diretora da Agência de Desenvolvimento, Inovação e Relações Internacionais (Aginova) da UFMS, professora Silvia Morales de Queiroz Caleman.

A aproximação formal entre o Governo do Estado, a UFMS e a Universidade de Manitoba vai permitir a mobilidade de estudantes e pesquisadores da cultura indígena, entre Brasil e Canadá. A medida reflete diretamente no desenvolvimento das comunidades sul-mato-grossenses, uma vez que os cientistas terão como objetos de estudos as mais diversas questões indígenas, como cultura, saúde, desenvolvimento econômico e outras. “É um amplo leque de possibilidade de interação”, disse o reitor da UFMS, Marcelo Turini.

Depois da formalização da parceria, estudantes e pesquisadores das duas universidades poderão identificar pontos específicos de estudo de pós-graduação, com apoio do Governo do Estado, para viabilizar diagnósticos e ferramentas para a valorização da cultura indígena de Mato Grosso do Sul. Para Reinaldo Azambuja, a medida é o despertar do reconhecimento dos povos Kadiwéu, Terena e Kinikinau. “Uma parceria fundamental para potencializarmos os estudos sobre os nossos indígenas”, avaliou.

Também participaram da solenidade de assinatura dos protocolos de intenções os secretários de Governo e Gestão Estratégica, Eduardo Riedel, e de Cultura e Cidadania, Athayde Nery; a subsecretária de Políticas Públicas para População Indígena do Estado, Silvana Terena; o presidente da Assembleia Legislativa, deputado Junior Mochi; e os professores/pesquisadores da Universidade de Manitoba, Peter Kulchyski e Kathleen Buddle.