Microrrevestimento transforma rodovias esburacadas em seminovas

MS-386 está entre as rodovias recuperadas pela Agesul – Divulgação/Agesul

Além de pavimentação e restauração, o Governo do Estado investe pesado na manutenção de rodovias, pontes e sistemas de drenagem. São mais de R$ 200 milhões por ano para manter as obras em condições de tráfego.

Além dos serviços rotineiros da Diretoria de Manutenção Viária, como cascalhamento e tapa-buracos, a Agência Estadual de Gestão de Empreendimentos (Agesul) também aplica microrrevestimento em alguns trechos, recuperando totalmente o asfalto e facilitando o deslocamento de pessoas e o escoamento das produções agrícola e industrial.

Em vez de apenas tapar os buracos, com o uso dessa tecnologia, é aplicado um revestimento de alta resistência, como uma manta, de baixa permeabilidade e anti-derrapante, composto por pequenas partículas minerais, que evitam a infiltração da água no solo e, consequentemente, os buracos.

Com a aplicação do microrrevestimento foram recuperados 130 quilômetros de rodovias, entre eles trechos da MS-450 (do km 0,0 ao km 9,3), entre Aquidauana e o distrito de Camisão; MS-162 (do km 0 ao 22), em Dois Irmãos do Buriti; e MS-080 (km 54,5 a 69,9), entre Corguinho-Rochedo. O custo da tecnologia é considerado baixo, de R$ 65 mil por quilômetro.

As informações são do diretor Mauro Rondon. “A qualidade do serviço é outra quando o asfalto recebe o microrrevestimento”, explica.

Mato Grosso do Sul possui 8.486 quilômetros de rodovias pavimentadas, sendo 4,5 mil quilômetros estaduais, e uma frota de mais de 1,56 milhão de veículos.