Governo de MS e Gerir entregam novos equipamentos para o Hospital Regional de Ponta Porã

Seladora para materiais esterilizados - Assessoria
Seladora para materiais esterilizados – Assessoria

O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul e o Instituto Gerir, organização social que administra o Hospital Dr. José de Simone Netto (Hospital Regional de Ponta Porã) investiram na compra de novos equipamentos para tornar o atendimento cada vez melhor e mais humanizado para os pacientes de Ponta Porã e dos sete municípios da região sul do Estado, atendidos no Hospital. A entrega dos novos equipamentos vem ao encontro do projeto do Governo de estruturar a rede pública de saúde nas 11 microrregiões de Mato Grosso do Sul, regionalizando o atendimento.

Além de aumentar o número e a qualidade dos atendimentos, a gestão feita pelo Instituto Gerir garantiu economia para o Estado. Anteriormente, o Governo do Estado destinava cerca de R$ 2,3 milhões mensais para o Hospital Regional de Ponta Porã. Hoje, os custos são de R$ 1,9 milhão. E deste dinheiro, a diretoria do Hospital ainda economizou cerca de R$ 200 mil por mês, desde que assumiu a gestão, para a compra destes novos equipamentos.

Foram investidos R$ 1,9 milhão na compra de 52 aparelhos de ar condicionado, que serão instalados em todas as salas do prédio, sete carrinhos de emergência, todos com cardioversor, duas seladoras para materiais esterilizados, duas serras para retirada de gesso e um freezer destinado ao necrotério para armazenamento de peças anatômicas. Além disso, para a ativação do lactário, local destinado ao preparo, higienização e distribuição de preparações lácteas e fórmulas infantis, foram entregues três balanças, seis estadiômetros (aparelho utilizado para realizar uma avaliação física), seis trenas e uma geladeira. A aquisição dos aparelhos contempla os setores clínicos e de infraestrutura do Hospital.

De acordo com o coordenador regional do Instituto Gerir, Franco Xavier, é com alegria que a OS apresenta para a população de Ponta Porã e região, mais um investimento feito pelo Governo do Estado no Hospital Regional. “No início do contrato de gestão, nós adquirirmos alguns aparelhos como, por exemplo, os de ar condicionado. Agora nós concluímos essa compra e todo o Hospital estará climatizado gerando mais conforto e tranquilidade aos pacientes, acompanhantes e colaboradores”, destaca.

Segundo Franco, a aquisição dos demais equipamentos, como os materiais para ativação do lactário, vai beneficiar os pequenos pacientes dos setores da maternidade e pediatria. O coordenador regional também ressalta a importância dos carrinhos de emergência. “Antes a unidade contava apenas com dois carrinhos, e os demais eram sucatas. Esses novos carrinhos de emergência, agora disponíveis em cada um dos setores, vão para garantir mais segurança ao paciente nas urgências e emergências dentro do Hospital”.

Acompanhantes, colaboradores e principalmente, os pacientes que acompanham as constantes mudanças no Hospital Regional, falam da satisfação de estar em um hospital público e ainda poder presenciar melhorias acontecendo. “Estou aqui há três dias com minha irmã gestante e pude ver o pessoal instalando o ar condicionado no leito em que estamos, e isso é inédito. Mesmo indo para casa daqui uns dias sei que outras gestantes e outros acompanhantes vão poder desfrutar dessa benfeitoria”, conta a manicure Daniela Ferreira Salina, de 25 anos.

Já o estudante internado na ortopedia, Rafael Santana, 27, completa que não é só o ar condicionado, mas todos os equipamentos vão deixar a vida dos pacientes e de todos, mais confortável.

Ativação do lactário
Os novos equipamentos contemplam todos os setores do Hospital e agora vão garantir a melhor nutrição dos bebês e crianças atendidos na Maternidade e Pediatria com a ativação do lactário. “Esses aparelhos, seis estadiômetros, seis trenas, três balanças, e uma geladeira, nos ajudam a calcular, altura, peso e idade e assim preparar a quantidade de alimento para cada paciente. No caso do leite, quantas calorias, o tipo de leite, enfim, tudo para garantir a segurança alimentar dos pequenos”, completa a coordenadora de nutrição clínica, Brunella Passinato.