Com apenas um componente, o estudante Augusto Nantes Veronez, do 9º ano do Ensino Fundamental da Escola do Sesi de Campo Grande, a equipe Garagem Tech é a grande campeã do 1º Torneio de Robótica 4.0, que foi realizado neste sábado (08/06) nas dependências do colégio na Capital. O aluno levou seis meses para construir o robô, que desbancou as outras 10 equipes, tanto na modalidade “Sumô”, quanto na modalidade “Cabo de Guerra”, conquistando os dois prêmios de R$ 200,00, uma mochila e vale compras na Papelaria Franco, patrocinadora oficial da competição.

A equipe Robô Master, da Escola do Sesi de Maracaju, ficou em 2º lugar no torneio nas duas modalidades e ganhou R$ 150,00 mais os brindes, seguida pela equipe Projeto X, também da Escola do Sesi de Maracaju, que conquistou o 3º lugar também nas duas modalidades e levou duas camisetas e os brindes. Além disso, os três vencedores ainda ganharam uma medalha confeccionada em impressora 3D pelos organizadores da competição, o time oficial de robótica da Escola do Sesi de Campo Grande, o Lego Jedi.

Segundo o diretor da Escola do Sesi de Campo Grande, Murilo Augusto de Oliveira, o torneio teve como objetivo criar uma oportunidade para os alunos treinarem para os torneios nacionais. “A Capital não teve sequer um torneio de robótica durante o primeiro semestre todo. Então vimos essa demanda e, junto dos alunos, organizamos o torneio aberto para toda a comunidade. Ficamos muito felizes de termos a Escola do Sesi de Maracaju competindo com a gente e acredito que esse tipo de evento estimula nossos alunos a se interessarem cada vez mais por tecnologia e programação”, afirmou.

Ele ainda explicou que as provas foram desenvolvidas pensando nos desafios enfrentados em situações reais das indústrias, como uma forma de preparar os jovens para o mercado do futuro. “As modalidades foram contextualizadas para situações reais de uma linha de uma Indústria 4.0. O robô utilizado na modalidade de guerra precisa puxar algo pesado, algo comum em máquinas utilizadas em pedreiras, por exemplo. Na modalidade sumô, os robôs foram programados para funcionar como tratores, que precisam empurrar blocos de pedras ou de areia”, completou.

Na avaliação da diretora da Escola do Sesi de Maracaju, Jaqueline Sant’Anna de Faria Santos, essa é a primeira vez que os alunos encaram desafios como os propostos pelo torneio. “Eles tiveram pouquíssimo tempo para estudar, pesquisar e montar um robô que conseguisse realizar essas atividades e acredito que ter duas equipes em segundo e terceiro lugar é motivo de muito orgulho. Esse tipo de evento é uma forma de incentivar o trabalho em equipe e preparar nossos alunos para competições, além de incentivá-los a pesquisar e se interessar por tecnologias, que é algo fundamental para o profissional do futuro”, considerou.

Os competidores 

O estudante Augusto Veronez, que ficou em 1º lugar nas duas modalidades, destacou que a premiação já paga todo o investimento feito e participar do torneio trouxe um aprendizado único. “Na verdade, eu participei de uma competição ano passado de sumô com um robô de Lego, feito com materiais da Escola do Sesi, e perdi por muito pouco. Neste ano investi em um robô próprio, mas que fosse desenvolvido para ganhar mesmo. Fiquei quatro meses pesquisando e dois meses montando. Para isso, até carpi quintal dos vizinhos, pedi ajuda para conhecidos e fui adaptando os equipamentos”, contou.

Para programar o robô, ele o utilizou o Arduíno, plataforma de prototipagem eletrônica. “Para isso, tive de realizar uma pesquisa intensa e se você me perguntasse qualquer coisa sobre esse tema há seis meses, eu não saberia te responder praticamente nada, mas hoje já entendo muita coisa. Então é muito legal conquistar o primeiro lugar e essa premiação, mas o conhecimento que adquiri nesse tempo de pesquisa é único e vai caminhar comigo para sempre”, acrescentou.

Representando a equipe Robô Master, o aluno Micael Serafim, da 3ª série do Ensino Médio, considerou incrível o 1º Torneio de Robótica 4.0. “Foi muito legal podermos participar de uma competição que traz experiência e conhecimento de uma forma divertida. Penso que as Escolas do Sesi têm esse objetivo de preparar os alunos para o futuro e esse tipo de evento nos estimula a buscar cada vez mais, estudar mais para competir e ganhar. As provas dessa competição foram ainda mais emocionantes e acredito que têm tudo a ver com tarefas reais das indústrias”, disse.

Na mesma linha, o aluno do 9º ano do Ensino Fundamental, Luiz Felipe Silveira Lima, da equipe Projeto X, ressaltou que deixar de curtir o sábado com os amigos para viajar para Campo Grande para participar de um torneio de robótica é uma forma produtiva de aproveitar o final de semana. “Me diverti muito aqui com meus colegas, mas para isso fiquei horas estudando e me dedicando para montar um robô. E esse esforço foi recompensado com a medalha de terceiro lugar. Agora é me dedicar mais para nas próximas competições ganhar a medalha de ouro”, completou.