Câmara Setorial da Cadeia Produtiva Mineral foi instituída nesta quinta-feira, 29, em Corumbá - Assessoria
Câmara Setorial da Cadeia Produtiva Mineral foi instituída nesta quinta-feira, 29, em Corumbá – Assessoria

A Fiems integra a Câmara Setorial da Cadeia Produtiva Mineral instituída nesta quinta-feira (29/06), em Corumbá (MS), pelo Governo do Estado, por meio da Semagro (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), para subsidiar a elaboração de políticas do segmento da indústria mineral em Mato Grosso do Sul. A intenção é obter mais eficiência nas atividades relacionadas à pesquisa e à assistência técnica no âmbito da mineração, da exploração das jazidas minerais, da preservação do acervo documental e das amostras de materiais relativos à pesquisa e ao levantamento dos recursos minerais existentes no Estado.

Na avaliação do presidente da Fiems, Sérgio Longen, a criação da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva Mineral é um avanço para o desenvolvimento do no Estado. “Teremos a oportunidade de discutir e organizar esse segmento de extrema importância para Corumbá, que é a mineração, e o que precisamos é exatamente envolver os entes interessados aqui do nosso Estado, uma ferramenta importante trará para nós a oportunidade de participar mais”, declarou.

Segundo o secretário estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar, Jaime Verruck, a criação da Câmara Setorial da Cadeia Produtiva Mineral é o primeiro passo para prestigiar o principal polo minerador do Estado. “Com as participações da Fiems, Sinduscon e Sindiecol, será possível desenvolver uma série de ações e a ideia é que, a partir da instituição da Câmara, nós já possamos lançar um plano estadual de desenvolvimento da mineração”, informou.

Desenvolvimento

Ele acrescenta que em Corumbá já existe um fórum da mineração, que estará acoplado à Câmara Setorial. “Além disso, nós já temos todo o diagnóstico da cadeia produtiva da mineração e, em duas semanas, o Estado terá condição de apresentar a estrutura da Câmara e as principais ações que vamos desenvolver, sendo necessário apenas validar junto ao governador Reinaldo Azambuja. No entanto, o importante é mostrar que Mato Grosso do Sul também é minerador, pois falamos muito do agronegócio, do eucalipto e da cana-de-açúcar, mas poucos sabem que somos o 3º Estado minerador do País e queremos divulgar isso, pois, com a extração de minério de ferro, de areia e de calcário, bem como com a produção de cimento, o Estado também tem uma possibilidade de desenvolvimento econômico na área de mineração, que normalmente não é tão discutido quanto como outras áreas”, pontuou.

O prefeito de Corumbá, Ruiter Cunha, destaca que o município, juntamente com Ladário, é responsável por aproximadamente 85% da mineração do Estado e, sensível a isso, o governador criou a Câmara Setorial da Cadeia Produtiva Mineral na região. “Quero aproveitar e solicitar o auxílio do presidente da Fiems, Sérgio Longen, para que Corumbá tenha um representante na empresa estatal MS Mineração. Estávamos engatinhando nesse setor, mas, hoje, ficou claro que a mineração também é importante para o desenvolvimento do Estado e acredito que nada mais justo que a direção da MS Mineração seja destinada e conduzida por alguém de Corumbá, que sejam ouvidos os setores empresarial e mineral aqui da região para que possamos ter mais um instrumento de desenvolvimento capaz de fomentar a nossa economia”, cobrou.

Entenda 

Na prática, a Câmara Setorial da Cadeia Produtiva Mineral, criada por meio do Decreto nº 14.770, de 28 de junho de 2017, vai emitir parecer sobre questões relacionadas à cadeia produtiva mineral, elaborar estudos que subsidiem a tomada de decisões, definir diretrizes para a elaboração de planejamento, elaborar banco de dados de interesse do setor, discutir a respeito da política de desenvolvimento sustentável, considerando inclusive o zoneamento ecológico-econômico, representar e defender os interesses do segmento com o objetivo de melhorar sua eficiência, logística e competitividade, possibilitando o desenvolvimento do setor, entre outros pontos.

Além disso, Câmara Setorial da Cadeia Produtiva Mineral será composta por 13 membros titulares e respectivos suplentes da Semagro, Imasul, MS Mineral, Uems, UFMS, Departamento Nacional de Produção Mineral, Crea-MS, OCB/MS, Fiems, FTI/MS, Sindiecol, Sinduscon-MS, Sindicer/MS e Fecomércio-MS. A Câmara Setorial da Cadeia Produtiva Mineral será coordenada pelo representante indicado pela Semagro e o exercício da função de membro não será remunerado, cabendo à Secretaria prover os recursos materiais e humanos necessários ao funcionamento.