Exame aponta que motorista que atropelou 17 em Copacabana não havia ingerido bebida alcoólica

Atropelamento na Praia de Copacabana, na Zona Sul do Rio, feriu 16 pessoas e matou um bebê – Foto: Reprodução/GloboNews

O motorista que atropelou 17 pessoas em Copacabana na noite desta quinta-feira (18) não havia ingerido bebida alcoólica, aponta exame feito pela Polícia Civil. Ele responderá em liberdade por homicídio culposo. Dezesseis pessoas ficaram feridas e um bebê morreu.

O documento afirma o motorista, Antônio A.A., de 41 anos, estava desperto, e apresentou-se calmo para o exame, fornecendo respostas com clareza de raciocínio, com pensamento bem articulado e orientação no espaço e no tempo.

Como não houve fuga do local do atropelamento, ele responderá por homicídio culposo em liberdade. A Polícia Civil instaurou um inquérito na 12ªDP (Copacabana) e a tese mais forte é a de que o motorista tenha sofrido um ataque epilético.

Testemunhas foram ouvidas, entre elas a mulher que o acompanhava no carro na hora do acidente. Ela confirmou que ele teria sofrido um ataque epilético e desmaiado.

Câmera registrou atropelamento
Uma gravação do circuito de câmeras de segurança de um dos quiosques da orla mostrou o desespero dos clientes enquanto o carro avançava sobre os pedestres.

Segundo a Secretaria Municipal de Saúde, das 16 vítimas, nove com ferimentos mais graves foram levadas para o Hospital Municipal Miguel Couto, na Gávea, Zona Sul da Cidade. Destas, três receberam alta na madrugada desta sexta-feira (19) e seis permaneciam internadas, uma delas em estado grave. As outras sete pessoas feridas foram socorridas no Hospital Souza Aguiar, todas com ferimentos mais leves, incluindo a mãe do bebê que morreu.

A vítima em estado grave é um turista australiano, segundo a Secretaria de Saúde. O homem, de 68 anos, e que não teve a identidade informada, sofreu traumatismo craniano e respira com ajuda de aparelhos.

O motorista foi detido e levado para a 12ª DP, em Copacabana, e disse que perdeu o controle do carro porque “apagou” após sofrer um ataque epilético.

De acordo com o Departamento de Trânsito do Estado do Rio de Janeiro (Detran-RJ), Anaquim está com a carteira de habilitação bloqueada. Ele acumula 62 pontos por infrações e 14 multas nos últimos 5 anos.

Do G1