Estratégia usada por Dourados para aumentar exportação é exemplo para demais municípios de MS

Dourados aumentou em 251% as vendas externas de óleo de soja – Divulgação/Coamo

O município de Dourados foi o segundo maior exportador sul-mato-grossense em 2020, representando 11,9% de tudo que o estado envia para fora do País. Com essa marca, a cidade ultrapassou, inclusive, a capital Campo Grande. Mas, há alguns anos, esse não era o cenário da região. Em 2015, a taxa de exportação do município era de 3,5%, segundo dados da Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar (Semagro). As informações são do Brasil 61.

O superintendente de Indústria, Comércio e Serviço da Semagro, Bruno Bastos Gouveia, explica que a melhora da exportação é resultado do investimento na agregação de valor às matérias primas.

“Temos um programa de atração de investimentos desde 2015, visando à industrialização do estado, à diversificação da matriz econômica e à agregação de valor à matéria-prima local. Ou seja, inverter a lógica de exportar grãos para industrializar esses grãos no estado, gerando emprego, renda, competitividade e mais tributos”, explica.

Segundo ele, o segredo é criar um ambiente de negócios para investimentos e segurança jurídica. “Temos feito isso desde 2015 e o resultado são mais de R$ 40 bilhões de investimento prospectados desde então”, completa.

Coamo

A deputada Rose Modesto (PSDB-MS) ressalta a importância da cooperativa Coamo para o aumento da exportação.

“A situação específica de Dourados tem muita a ver com os resultados da cooperativa Coamo, o que sinaliza como é importante o investimento na capacidade de agregar valor à matéria prima. Dourados mostra caminho de excelência que pode ser reproduzido em outras cidades do nosso estado”, avalia.

O complexo industrial da Coamo é responsável pela produção de farelo e óleo de soja. De acordo com o balanço da Semagro, no ano passado, Dourados aumentou em 2,734% o volume de farelo de soja exportado, além de 251% nas vendas externas de óleo de soja e de 53% na comercialização de soja ao exterior. Foram 32 mil toneladas de óleo de soja exportadas, em 2020, contra 9 mil toneladas, em 2019.

O farelo de soja saltou de 15 mil toneladas, em 2019, para 435 mil toneladas, em 2020. As exportações de soja pelo município alcançaram a marca de 981 mil toneladas do grão. Além disso, no ano passado, Dourados também aumentou as exportações de carnes suínas, bovinas e de aves.

“Como a Coamo é uma indústria exportadora de óleo e de farelo de soja, Dourados teve um boom na exportação em 2020, já que a empresa se instalou em 2019. No estado, as exportações no ano passado foram maiores que 2019 (11,4%), mesmo na pandemia”, enfatiza o porta-voz da Semagro, Bruno Bastos Gouveia.

Em relação à pandemia, ele reconhece os impactos na economia nacional. “Mas graças a esse programa de atração de investimentos, só a indústria local, e isso considerando só o setor industrial, teve um saldo positivo de geração de 6,4 mil empregos”, ressalta.

Líderes do ranking

No topo do ranking de 2020 está o município de Três Lagoas, com participação de 41,8% na exportação do estado do Mato Grosso do Sul. O resultado se deu, principalmente, pela exportação da soja. Juntos, os dez municípios que mais exportam no estado são responsáveis por 83,5% de tudo que é enviado para o mercado externo.

A deputada Rose Modesto avalia os resultados da exportação do Mato Grosso do Sul como positivos, apesar dos impactos da pandemia da Covid-19.

“Continuamos com superávit na balança comercial, embora com uma queda do mesmo período de 2020; ou seja, há espaço ainda para recuperação e até para crescimento. Sempre defendi que a atração de indústria e estímulos ao crescimento das cooperativas – aliadas a redução dos gargalos logísticos – ajudarão a alavancar a economia do nosso estado”, afirma.

DEIXE UM COMENTÁRIO/RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.