Estados do Brasil Central formam a alavanca de crescimento do País, destaca Reinaldo durante fórum

Reinaldo durante fórum de governadores em Palmas(TO), nesta sexta-feira - Foto: Governo de TO
Reinaldo durante fórum de governadores em Palmas(TO), nesta sexta-feira – Foto: Governo de TO

Os estados que integram o Consórcio Brasil Central são a alavanca para a sustentabilidade e crescimento do País. A afirmação é do governador Reinaldo Azambuja, que se reuniu com outros seis governadores em Palmas (TO), nesta sexta-feira (2.6), para tratar de pautas conjuntas de desenvolvimento regional. Participam das discussões do grupo os governos de Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal, Tocantins, Rondônia e Maranhão.

Reinaldo citou o crescimento da economia brasileira nos três primeiros meses de 2017, revelado pelo IBGE nesta semana – o Produto Interno Bruto (PIB) avançou 1,0% em relação ao 4º trimestre do ano passado, após oito trimestres seguidos de queda. “Se olharmos o PIB divulgado ontem (1.6), podemos ver o peso que teve a agropecuária. A força da agropecuária está no Brasil Central. São esses estados responsáveis pelo crescimento Brasil”, afirmou.

Por isso, para o governador sul-mato-grossense, a união dos estados do Brasil Central é de extrema importância para a Nação. “Não tenho dúvidas que com esse planejamento estratégico do consórcio vamos ter um avanço enorme. O Brasil não pode ser pensado numa lógica única, quando pensamos regionalmente nós ganhamos muito em competitividade”, opinou o governador.

Nas tratativas da 3ª reunião do ano do Fórum dos Governadores do Brasil Central, os chefes dos executivos debateram projetos de estruturação logística, de compra de medicamentos em conjunto para baratear o preço aos estados, e de integração do ecoturismo e do turismo de aventura. “Além desses, já tivemos alguns resultados importantes que as vezes passam despercebidos, como uma pauta política, que levou a aprovação da convalidação dos incentivos. Com isso deixamos de ser apenas estados produtores de matéria primária para agregar valor à nossa produção”, falou.

Para o presidente do Consórcio Brasil Central, o governador de Goiás, Marconi Perillo, o grupo de estados é referência para o Brasil. “Tratamos de temas relevantes. Aqui debatemos sobre o mercado comum do Brasil Central, nós já temos uma parametrização das alíquotas dos principais produtos dos nossos estados, energia, combustível, telecomunicações e agora vamos trabalhar a parametrização de todas as alíquotas. Se nós conseguirmos será o primeiro mercado comum dentro do Brasil, uma espécie de Mercosul do Brasil Central”, explicou.

Também no encontro desta sexta-feira, foi aprovada a entrada do Maranhão no bloco de governadores. Dessa forma, a composição do grupo passa a ser de sete estados. “Estou feliz pelo trabalho que estamos fazendo no Brasil Central”, pontuou Perillo. Além de Reinaldo e do governador de Goiás, estiveram presentes os governadores Pedro Taques (Mato Grosso), Rodrigo Rollemberg (Distrito Federal), Marcelo Miranda (Tocantins), Confúcio Moura (Rondônia) e Flávio Dino (Maranhão). O ministro da Integração Nacional, Helder Barbalho, e o presidente da Fundação de Turismo de MS (Fundtur), Bruno Wendling, também participaram das deliberações.