Equipe do HU-UFGD participa de encontro do projeto Parto Adequado e apresenta avanços

A iniciativa reúne instituições de todo o País com objetivo de propor estratégias de melhorias na atenção ao parto

Equipe de profissionais do HU-UFGD, na Sessão de Aprendizagem Presencial do projeto Parto Adequado – Assessoria

Na última semana, profissionais do Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados (HU-UFGD) estiveram em Recife (PE), representando a instituição em uma Sessão de Aprendizagem Presencial (SAP) voltada aos hospitais públicos que integram o projeto Parto Adequado, iniciativa que tem por objetivo propor estratégias de melhorias na atenção ao parto.

Durante dois dias de encontro, profissionais de todo o País puderam trocar experiências e expor os dados de suas unidades, sendo que pelo HU-UFGD estiveram as enfermeiras obstétricas Renata Rodrigues e Ana Carla Tamisari Pereira, e o médico Alessandro Postal, chefe do Setor de Urgência Materno Perinatal.

Desenvolvido pela Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) em parceria com o Hospital Israelita Albert Einstein e o Institute for Healthcare Improvement (IHI), o Parto Adequado foi criado incialmente com vistas a instituições particulares e operadoras de planos de saúde, e teve sua primeira fase iniciada em 2015. No ano passado, no entanto, a segunda fase do projeto ampliou a participação de hospitais, convidando também instituições públicas, entre as quais o HU-UFGD, como único representante de Mato Grosso do Sul.

A inserção do hospital se deu em maio de 2017 e vai até maio de 2019, que é o período de duração da Fase 2 do projeto. Nesse espaço de tempo, cada uma das instituições participantes deve efetuar a análise de seus indicadores sobre parto, executar um pacote de melhorias em suas rotinas e apresentar seus resultados nas Sessões de Aprendizagem Presencial, como a realizada nos dias 25 e 26 de junho na capital pernambucana.

Entre as ações executadas no HU-UFGD para aprimorar a qualidade de assistência ao parto, e que foram expostas no encontro como resultados positivos, estão a análise minuciosa dos indicadores sobre partos realizados no hospital, a implementação do projeto de formação de doulas comunitárias e a atuação da Enfermagem Obstétrica nos partos de risco habitual.

Redução do número de cesarianas

No entanto, o principal resultado positivo apresentado pelo HU-UFGD diz respeito à redução da taxa de cesarianas sem indicação clínica. Foi pactuado com o projeto que o hospital deve alcançar o índice de 75% de partos normais entre as gestantes primigestas (que estão em sua primeira gestação) e multíparas (com mais de uma gestação) que já tiveram seus outros partos por via vaginal.

Em seis meses de acompanhamento de indicadores, a gestão do hospital identificou que, de 63% o índice já subiu para 73%, em função das ações de melhoria instituídas. E no que tange ao número geral de partos entre todas as categorias de gestantes, no apanhado histórico de janeiro a abril de 2018, a porcentagem de cesarianas baixou de 51,23% para 41,12%.

Atualmente, o HU-UFGD é o único hospital público de Dourados a realizar partos e a única unidade a atender gestantes de alto risco em toda a macrorregião, sendo que, por mês, o Centro Obstétrico da instituição efetua cerca de 300 partos.