Com menos de seis meses para se adaptar, a maior parte das empresas ainda não se informou sobre a LGPD

Um mau atendimento pode sair caro para as empresas, tanto por perder clientes e a reputação, quanto pela incidência de multas e outras penalidades, de acordo com cada caso. Por isso, é muito importante que um bom atendimento esteja dentro das metas de qualquer empresa.

A Lei Geral de Proteção de Dados, que está prevista para entrar em vigor em agosto de 2020, faz parte da legislação que ajuda a proteger consumidores e usuários. As empresas que não se adequarem às novas regras deverão pagar multas que podem chegar a R$ 50 milhões em caso de vazamento de informações sigilosas sobre pessoas.

No entanto, apesar do prazo limite estar se esgotando, muitas empresas ainda não fizeram as alterações necessárias em seus sistemas e procedimentos para garantir um bom atendimento ao consumidor, oferecendo mais segurança aos seus dados.

Desconhecimento não é desculpa

O maior número de empresas que ainda não se adaptaram à LGPD se classifica como pequenas e médias. Nesses casos, muitos empresários não sabem dos detalhes sobre essa lei, mas isso não pode ser uma desculpa para o não cumprimento dessas novas diretrizes.

As grandes empresas, que estão sujeitas a penalidades maiores, já estão buscando maior conhecimento sobre o que devem fazer. Apesar das multas serem relativamente menores para as empresas pequenas, isso não significa que elas estão isentas de se adaptar. Todos os setores da economia devem estar cientes e realizar essas mudanças antes de agosto.

De acordo com a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), que é a responsável por verificar o cumprimento da lei entre as empresas, a multa aplicada pode chegar a um limite de 2% no faturamento da empresa – com um limite máximo de R$ 50 milhões, além do bloqueio e da eliminação dos dados que estão relacionados à infração cometida.

Atualmente, tanto a autuação, quanto a fiscalização, ficam a critério dos órgãos de defesa do consumidor, além do Ministério Público. No entanto, para que isso possa ser padronizado, é importante que esta nova lei seja aplicada e exista um órgão responsável por essas etapas.

Com diversos escândalos de vazamento de informações, tornou-se essencial que as empresas criem mecanismos para proteger os dados sensíveis de seus clientes, incluindo tudo aquilo que possa identificá-los ou colocá-los em algum tipo de perigo. Exatamente por isso, a LGPD foi criada e assinada em 2018 para regular as atividades das empresas que lidam com essas informações.

Câmara de Ponta Porã_Nota MS Premiada