Em julho, pequenos negócios registram novo saldo positivo na geração de empregos em MS

Enquanto as microempresas criaram 1.061 mil postos de trabalho no mês, as grandes e médias corporações geraram 144 vagas

Com 406 novas vagas, o Comércio liderou a geração de empregos com carteira assinada pelos pequenos negócios em MS – Divulgação

Pela sexta vez no ano, os pequenos negócios registraram saldo positivo de emprego em Mato Grosso do Sul. Entre demissões e contratações, as micro e pequenas empresas criaram 1.061 postos de trabalho formais no mês de julho, enquanto as grandes e médias corporações geraram 144 oportunidades. O levantamento foi realizado pelo Sebrae, a partir do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia.

Com 406 novas vagas, o Comércio liderou a geração de empregos com carteira assinada pelos pequenos negócios em MS. O setor é seguido por Serviços (235), Agropecuária (207) e Indústria de Transformação (193). Neste último segmento, o estudo aponta que as grandes e médias corporações mais demitiram do que empregaram, com saldo negativo de 47 postos.

Ainda conforme o levantamento, os pequenos negócios continuam os principais geradores de oportunidades em Mato Grosso do Sul. De janeiro a julho de 2019, as micro e pequenas empresas criaram 10.454 empregos. No mesmo período, as médias e grandes corporações responderam por 6.391 postos. Já de janeiro a julho de 2018, o resultado foi mais desproporcional: As MPE criaram 7.772 vagas, enquanto as MGE geraram apenas 525.

Para o diretor-superintendente do Sebrae/MS, Claudio Mendonça, o cenário com a ampliação do emprego mostra a importância dos pequenos negócios como propulsores da economia. “Os dados mostram que o empreendedorismo está ocupando as pessoas com um trabalho a mais. É um setor que deve receber investimentos, já que fortalece a economia nacional”, afirma.

Dados nacionais
No Brasil, foram ao todo 41,5 mil novas vagas em julho, o que representou 95% do total de empregos gerados no país. Somando-se esse saldo ao das médias e grandes empresas e ao da Administração Pública, pode-se constatar que foram gerados 43,8 mil empregos formais celetistas no sétimo mês deste ano.

Novamente, o Centro-Oeste ficou em segundo lugar na geração de postos formais em julho, com mais 6.732 vagas. A região fica atrás apenas do Sudeste, que obteve 20.168 novos empregos.