Elias Ishy defende política cultural para Dourados

Vereador pede plano municipal para a cultura e garantia de apoio à área, como a execução do FIP

Elias Ishy durante reunião com representantes da cultura de Dourados – Foto: Thiago Morais

O vereador Elias Ishy (PT) participou na semana passada de uma importante reunião da Comissão de Cultura realizada no Plenarinho da Câmara de Dourados. Segundo ele, para tratar das demandas em defesa da política cultural de Dourados, como garantir o Fundo Municipal de Investimentos à Produção Artística e Cultural (FIP) até o momento não executado pela atual gestão.

Ishy relata a grandiosidade dos artistas e produtores douradenses, mesmo diante das dificuldades de quem vive da arte no município. É a chamada crise das instituições, que ocorre em todo o Brasil, quando existem cortes de verbas, cancelamentos de editais, como do FIP sem execução há dois anos.

O vereador lembrou aos presentes que defende um plano para a cultura, pois acredita que este investimento deve ser prioridade dos Governos, sendo que o desenvolvimento social e econômico do país, estado e da cidade não será completo se não vier acompanhado do cultural. “O prejuízo não é só dos produtores, mas sim de toda a sociedade”, afirma.

O parlamentar relembra as falas dos representantes culturais, que enumeram três casas de cultura que não tem quase nenhum apoio público: Casulo, Sucata Cultura e Casa dos Ventos. As editoras, Arrebol Coletivo e o grupo literário Arandu, este que há mais de 20 anos publica de forma independente e vem sobrevivendo sozinho. No setor musical e audiovisual também há muito trabalho. A Plug Produções, por exemplo, lançou as séries Guateka e Natasha.

Parte dos eventos, resultado da determinação dos artistas formados no curso de artes cênicas da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados). A graduação é oferecida desde 2009 e os estudantes vêm ocupando os palcos da Caixa Preta e espaços alternativos como feiras e praças do município. Além do Teatro Municipal, de 1998, com a estrutura precisando de reparos e manutenção, ainda recebe o Festival Internacional de Teatro de Dourados (FIT) e a Mostra de Audiovisual de Dourados (MAD). Para a professora Graciela Chamorro, a situação é “calamitosa”. Mesmo sem apoio, eles seguem produzindo, ganhando prêmios em todas as áreas.

A própria manutenção da Secretaria é um grande desafio para a cidade. Ishy explica que é necessária infraestrutura e pessoal para que os projetos saiam do papel, como o próprio “Palco para Todos”, que ainda não teve início. “Não podemos esquecer a questão indígena e a nossa memória, como o Museu da Colônia Agrícola Nacional de Dourados e a Usina Velha”, disse ele.

Como encaminhamento, então, foi pedido um prazo para a publicação do FIP e melhorias para a Secretaria. Devido a isso, o parlamentar enviará um requerimento à prefeitura questionando informações sobre a política cultural municipal. Lembrando que a Comissão é presidida pelo vereador Mauricio Lemes (PSB) e o encontro contou com a presença do secretário da pasta, Jorge Augusto Ramos Lopes (Peu), além de funcionários.