Educadores ainda não receberam salário de novembro em Dourados

Prefeitura atrasou o pagamento pelo quinto mês consecutivo e cerca de 100 profissionais da educação ainda não tiveram a remuneração depositada pela administração

Educadores realizaram protesto na prefeitura pelo atraso no pagamento dos salários – Foto: Arquivo/SIMTED Dourados

O SIMTED tem recebido denúncias de que parte dos trabalhadores em educação da Rede Municipal de Ensino de Dourados ainda não tiveram o salário de novembro depositado pela prefeitura.

O descaso com a remuneração do funcionalismo público municipal já gerou atrasos salariais e escalonamentos pelo quinto mês consecutivo e afeta toda a administração, causando prejuízos a milhares de trabalhadores, suas famílias e também para o comércio local.

O SIMTED teve contato com a Secretaria Municipal de Administração nesta segunda-feira (16), cobrando a regularização salarial da categoria. Cerca de 450 servidores, de vários setores da administração estariam sem receber o salário de novembro, que teve o último dia 6 de dezembro como quinto dia útil e prazo legal para pagamento.

Aproximadamente 100 educadores estão com seus salários atrasados e, de acordo com a administração, não há uma previsão para a regularização salarial.

Aumento salarial do alto escalão

Enquanto os trabalhadores vêm amargando prejuízos com os atrasos e escalonamentos, uma minuta de projeto de lei foi entregue à Câmara Municipal, por secretários da atual gestão, prevendo aumento de 55,27% no salário da prefeita.

Esse projeto de lei prevê que o salário da prefeita Délia Razuk passe de R$ 13.804,56 para R$ 21.434,34. Já os salários do vice-prefeito e secretários municipais passariam de R$ 9.663,19 para R$ 15.004,03.

Enquanto isso, a atual gestão vem sendo marcada pela retirada de direitos dos profissionais da educação, que tiveram perdas salariais significativas nos últimos anos e ainda lutam pelo pagamento do índice do Piso Municipal de 2017 (7,64%), previsto em lei e a criação de um índice de valorização profissional para o administrativo educacional.

Seria um retrocesso a Câmara Municipal aprovar um aumento salarial de mais de 50% para o alto escalão enquanto servidores padecem com sucessivos atrasos e escalonamentos em suas remunerações.