Crescimento é de 10% em relação ao mesmo período de 2017

Junho é o mês no qual se comemora o Dia dos Namorados no Brasil, mais precisamente no dia 12. O mercado fica aquecido no período que antecede a data, e com o e-commerce não é diferente. Segundo dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm), as lojas virtuais terão um faturamento de R$ 2,6 bilhões, 10% a mais do que em 2017, quando o setor arrecadou R$ 2,3 bilhões em vendas.

Entre os dias 28 de maio e 11 de junho, a associação calcula que o comércio eletrônico receberá 8,24 milhões de pedidos. O ticket médio, de acordo com o estudo, ficará em torno de R$ 317. Moda, perfumes, cosméticos, informática e eletrônicos são as categorias mais procuradas pelos casais.

A data comemorativa só perde para o Dia das Mães em questão de faturamento no comércio eletrônico. Nesse período, as marcas oferecem descontos em roupas, acessórios, calçados e outros produtos a fim de atrair os consumidores. Caique Assis, 25, é analista programador e está em busca de um tênis em promoção. “Tenho a ideia de que estará mais barato que nos outros dias e que possa ter aquelas promoções de dois pares com algum desconto”, diz. Ele ainda não adquiriu nenhum produto por não ter encontrado a promoção ideal.

De acordo com a 37ª edição da pesquisa WebShoppers, realizada pela consultoria Ebit, uma das maiores autoridades no monitoramento do comércio eletrônico brasileiro, a expectativa é que o setor tenha um crescimento de 12% em 2018. O faturamento previsto para este ano é de R$ 53,5 bilhões, acima dos R$ 47,7 bilhões de 2017.

Nos dois anos anteriores, o e-commerce sofreu uma baixa, com crescimento de apenas um dígito em 2016 e 2017. Em 2018, no entanto, as lojas virtuais passam a obter um aumento na casa dos dois dígitos novamente. Segundo a Ebit, o ticket médio deverá ser de R$ 446.

Confira o faturamento ano a ano do comércio eletrônico nacional desde 2011, de acordo com a consultoria Ebit:

  • 2011: R$ 18,7 bilhões (crescimento de 26%)
  • 2012: R$ 22,5 bilhões (20%)
  • 2013: R$ 28,8 bilhões (28%)
  • 2014: R$ 35,8 bilhões (24%)
  • 2015: R$ 41,3 bilhões (15%)
  • 2016: R$ 44,4 bilhões (7%)
  • 2017: R$ 47,7 bilhões (8%)
  • 2018: R$ 53,5 bilhões (crescimento esperado de 12%)