Dourados lembra dia de combate ao trabalho infantil com palestra

Prefeita Délia Razuk quer intensificar ações para reduzir casos de trabalho infantil - Foto: A. Frota
Prefeita Délia Razuk quer intensificar ações para reduzir casos de trabalho infantil – Foto: A. Frota

Por meio da Secretaria Municipal de Assistência Social a Prefeitura de Dourados lembrou na ultima sexta-feira, o Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil, celebrado no dia 12 de junho, com uma palestra.

O evento aconteceu no Cras (Centro de Referência em Assistência Social) do Jardim Água Boa, onde a procuradora do MPT (Ministério Público do Trabalho), Candice Gabriela Arosio, da Coordenadoria Regional de Combate à Exploração do Trabalho Infantil abordou as piores formas do trabalho infantil.

Em sua palestra, a procuradora disse que o trabalho infantil infelizmente é um a realidade e precisa ser combatido. Para ela é uma discussão muito importante porque ao invés do trabalho a criança deveria estar na escola, participando de projetos que irão lhe proporcionar melhor qualidade de vida e maiores oportunidades no futuro.

A secretaria Ledi Ferla, que está à frente da Assistência Social em Dourados, lembrou que essa é uma área em que a prefeita Délia Razuk tem cobrado bastante atenção, principalmente através da execução de ações que possam pelo menos minimizar esse quadro.

A prefeitura mantém também o CREAS (Centro de Referência Especializado em Assistência Social) que atende denúncias de violação dos direitos de crianças que se encontram em situação de trabalho infantil.

Na manhã desta segunda-feira (12) a prefeita recebeu a secretária Ledi Ferla e sua equipe, quando reafirmou o seu propósito de intensificar cada vez mais os projetos em prol dessa causa.

Data

O Dia Mundial de Combate ao Trabalho Infantil foi criado por iniciativa da Organização Internacional do Trabalho, vinculada à ONU (Organização das Nações Unidas), em 2002. O objetivo principal da data é promover o alerta sobre essa questão, porque hoje são milhões de crianças trabalhando, e impedidas de usufruir plenamente seus direitos.