Douradenses enviam carta ao Senado pedindo voto contrário a “Reforma da Previdência”

Participantes de Audiência aprovaram documento pedindo respeito aos representantes, especialmente de Mato Grosso do Sul

A audiência pública sobre a reforma da previdência foi de proposição de Elias Ishy – Foto: Assessoria

Na semana passada foi realizada uma Audiência Pública na Câmara de Dourados com o tema “reforma da previdência”. A proposição foi do vereador Elias Ishy (PT) e teve como objetivo informar a população sobre as reais mudanças na vida das famílias e os impactos no município com a aprovação da Proposta de Emenda à Constituição (PEC).

O parlamentar explicou que a mobilização da classe trabalhadora obrigou o governo a recuar em pontos da PEC aprovada em segunda votação, mas a proposta do governo federal continua com regras duras que prejudicam trabalhadores e trabalhadoras. Os destaques serão votados nesta quarta-feira (07). Concluída a votação na Câmara, proposta será enviada ao Senado.

Uma carta foi aprovada pelos presentes no evento e será enviada ao Senado, reafirmando a posição contrária a proposta. Para os participantes, sem dúvida este é o mais amplo e mais complexo conjunto de mudanças já encaminhado para alterar a Constituição Federal de 1988, conhecida como Constituição Cidadã. Eles lembraram as garantias constitucionais foram conquistadas com muita luta.

Na Audiência, foram apresentadas como as alterações têm impactos efetivos sobre a sociedade e particularmente aos que mais necessitam de um estado justo e fraterno. “É inadmissível o quanto aumenta os requisitos para que os trabalhadores e trabalhadoras possam ter acesso a sua justa aposentadoria, reduz valores de revisão e penaliza os beneficiados pelo BPC, parcela mais vulnerável da nossa sociedade”, diz a carta.

O documento pede ainda que os senadores e senadoras, em especial do Mato Grosso do Sul, respeitem os trabalhadores do país, votando contra a PEC, para que seja preservada a dignidade, evitando assim os seus aspectos desumanos e inconstitucionais desta proposta para que assim prevaleça a democracia.

Como palestrantes, a Câmara recebeu a economista do DIEESE/MS (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos de MS), Andreia Ferreira, e a advogada previdenciária, coordenadora adjunta do IBDP (Instituto Brasileiro de Direito Previdenciário), Priscila Arraes Reino.

O evento contou ainda com o apoio do Comitê de Defesa Popular, SIMTED – Sindicato dos Trabalhadores e Trabalhadoras em Educação de Dourados, Sintraesul – Sindicato dos Trabalhadores em estabelecimentos de ensinos da região sul do Mato Grosso do Sul, Sindicato dos Bancários, da Comissão Previdenciária da 4ª subseção da OAB de Dourados, Sindracse – Sindicato Regional dos Agentes Comunitários de Saúde e de Combate a Endemias, Sintect – Sindicato dos Trabalhadores nos Correios de Mato Grosso do Sul, Sindsep – Sindicato dos Servidores Públicos Federais em Mato Grosso do Sul, Aduf – Associação dos docentes da UFGD (Universidade Federal da Grande Dourados), FMTSUAS – Fórum Municipal dos Trabalhadores do Sistema Único de Assistência Social e Sinasefe – Sindicato Nacional dos Servidores da Educação Básica e Profissional.