Delta Tankers alega que ‘suposto envolvimento é prejudicial à sua reputação’. PF diz que empresa será notificada via Interpol para prestar esclarecimentos

Bouboulina, navio petroleiro operado por empresa grega é suspeito de derramar o óleo que atinge o Nordeste, segundo a PF – Foto: Divulgação/Delta Tankers

A petroleira grega Delta Tankers, proprietária do navio Bouboulina – apontado pela Polícia Federal como principal suspeito de ter derramado o óleo que desde o fim de agosto já atingiu mais de 300 locais no litoral do Nordeste –, disse que possui “dados e documentos” que mostram que sua embarcação não tem envolvimento com o vazamento. A empresa disse ainda que está em busca de respostas legais para o dano à sua imagem causado pela acusação.

“A Delta Tankers tem todos os dados e documentos que provam que sua embarcação não está envolvida, mas até o momento ninguém pediu para vê-los”, disse a empresa.

Em nota divulgada nesta segunda-feira (4) a petroleira reiterou que não foi procurada pela Polícia Federal e que o Ministério de Assuntos Marinhos da Grécia também não recebeu pedido de informações ou outro tipo de contato das autoridades brasileiras.

“Como esse suposto envolvimento é prejudicial à reputação e aos negócios de uma importante companhia de navegação que opera globalmente, a empresa está agora em discussões com os assessores jurídicos sobre como eles devem se dirigir às autoridades brasileiras”, disse a Delta Tankers em nota.

A Operação Mácula, deflagrada pela Polícia Federal na sexta-feira (1º), apontou o navio Bouboulina como principal suspeito de derramar ou vazar o óleo que atingiu o litoral nordestino. A embarcação pertence à Delta Tankers. Nesta segunda a Polícia Federal disse que a empresa vai ser notificada pela Interpol para prestar informações na investigação.

“A empresa vai ser notificada agora, vai tomar conhecimento do teor todo da investigação, e vai ser solicitada via Interpol para apresentar os documentos e as provas que alega ter. A empresa é suspeita no momento, não houve indiciamento”, afirmou o delegado Franco Perazzoni.

A indicação do Bouboulina vai contra duas tendências anteriormente apontadas pela Marinha pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) nas investigações.

A primeira é que, no início das investigação, o Ibama já tinha descartado a possibilidade de localizar as manchas por meio de imagens de satélites, tanto em estudos próprios como em avaliações de agências espaciais e de universidades.

A segunda tem relação à data da passagem do navio pela costa e o fato de ele não estar operando como um “navio-fantasma”.

Defesa da Delta Tankers
Em nota divulgada neste sábado (2), a Delta já havia refutado a acusação da Polícia Federal. A empresa afirmou que fez uma “pesquisa completa do material nas câmeras e sensores que todos os seus navios carregam como parte de suas políticas de segurança e ambientais” (leia, abaixo, a íntegra).

No comunicado anterior, a Delta Tankers destaca 3 pontos:

· ‘não há provas’ de que o navio Bouboulina derramou óleo;

· a empresa não foi procurada por autoridades brasileiras;

· a embarcação, que saiu da Venezuela em 19 de julho, chegou ao destino final, na Malásia, e ‘descarregou toda a carga sem qualquer falta’.

Por que o Bouboulina é considerado suspeito
O Bouboulina foi carregado com cerca de 1 milhão de barris do petróleo cru tipo Merey 16 no Porto de José, na Venezuela, em 15 de julho. Zarpou quatro dias mais tarde.

A embarcação foi alvo da Operação Mácula e apontada como suspeita com base em um relatório produzido pela empresa HEX Tecnologias Especiais, que afirma ter realizado a análise de dados de satélite para localizar as manchas e feito um cruzamento com softwares de monitoramento de navios para chegar ao resultado que aponta o navio grego como suspeito.

Depois de sair da Venezuela e trafegar sempre com seu sistema de localização ativo, o navio Bouboulina passou a oeste da Paraíba em 28 de julho. As investigações do governo brasileiro apontam que a primeira mancha no oceano foi registrada em 29 de julho, a 733 km da costa da Paraíba. As primeiras praias do país afetadas foram no município paraibano de Conde em 30 de agosto.

“Nós temos a prova da materialidade e indícios suficientes de autoria. O que nos falta são as circunstâncias desse crime, se é doloso, se é culposo, se foi um descarte ou vazamento” – Agostinho Cascardo, delegado da PF no Rio Grande do Norte

De acordo com ele, a Marinha do Brasil apurou que, em abril, o navio grego ficou retido nos Estados Unidos durante 4 dias por causa de problemas no filtro de descarte da embarcação.

Do G1