Direção da Faculdade Intercultural Indígena da UFGD publica nota de repúdio a projeto de lei em trâmite no Congresso

Estudantes, professores e técnicos administrativos dos cursos de Licenciatura Intercultural Indígena – Teko Arandu, do curso de Licenciatura em Educação do Campo (LEDUC) e do Programa de Pós-graduação em Educação e Territorialidade (PPGET) da Faculdade Intercultural Indígena (FAIND/UFGD) assinaram nota de repúdio ao Projeto de Lei nº 490/2007 – documento que prevê uma série de modificações nos direitos territoriais garantidos aos povos indígenas pela Constituição Federal de 1988 – que tramita no Congresso Nacional. A nota foi submetida ao Conselho Diretor da faculdade e publicada no último dia 30 de junho. O documento classifica o projeto de lei como “uma clara violação da Constituição brasileira e das normas do Direito Internacional dos Direitos Humanos”.

A nota destaca que o projeto do curso de Licenciatura Intercultural Indígena – Teko Arandu, é norteado por três conceitos fundamentais para o povo Guarani. O primeiro conceito é a palavra “ñe’ẽ”, que pode ser traduzida como “nossa língua”. Outra ideia fundamental do curso é “teko”, palavra usada para se referir ao sistema de vida guarani. O terceiro fundamento do curso é o conceito de “tekoha”, palavra guarani que é sinônimo de “terra”, mas que significa não somente a terra como bem e propriedade para uso e exploração por meio de cultivo ou criação animal, mas como espaço estritamente necessário para que se sustente o modo de vida e a espiritualidade guarani.

Em sua tese de doutorado intitulada “A busca do teko araguje nas retomadas territoriais guarani-kaiowá”, o professor Eliel Benites, da FAIN/UFGD, discute a ideia de tekoha. Para esta pesquisa, Eliel trabalhou desde 2017 conversando, registrando, gravando, traduzindo, e transcrevendo diálogos com indígenas mais idosos. “A forma como os guaranis enxergam a cosmologia – a criação do universo material e imaterial – se reflete no processo de produção do tekoha, que é o conjunto de valores, saberes e modo de ser da humanidade Guarani Kaoiwá, com todos seus rituais, línguas e saberes”, diz Eliel, que é guarani kaiowá e docente do curso de Licenciatura Teko Arandu.

A nota, na íntegra, foi publicada no Boletim de Serviços da UFGD, de 30 de junho. Veja aqui

DEIXE UM COMENTÁRIO/RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.