• Por Gilclér Regina 

No futuro teremos somente dois tipos de empresas… aquelas que quebram e as que mudam.  Uma empresa não quebra hoje, quebra cinco anos antes. É mudar ou morrer! Quais são os pilares que sustentam essa afirmativa? Vamos a eles:

  1. Vamos receber cada vez menos para fazer o que todo mundo faz… O sucesso hoje depende de a gente fazer o que a maioria não faz. Os vencedores fazem o que os perdedores não querem fazer.
  1. Só irão sobreviver os mais capazes, mais competentes, sejam empresas ou profissionais. Hoje, no Brasil, 800 empresas quebram mais empresas por dia do que nascem novas.
  1. Mudança de postura. As empresas no passado trocavam serviços ou produtos por dinheiro. Hoje, as empresas de sucesso fazem amigos enquanto fazem negócios.
  1. Trabalhar com prazer. Não basta cumprir com as obrigações. Quando o trabalho é um prazer a vida é uma alegria. Quando o trabalho é um dever, a vida é uma escravidão. E este duplo sentimento está presente no sucesso ou fracasso de uma organização.
  1. Formar líderes competentes. Mesmo em momentos difíceis, 75% das pessoas pedem a demissão do chefe e não da empresa. E, neste foco, um dado preocupante de uma pesquisa do Instituto Gallup: 79% dos brasileiros são desmotivados no trabalho.

A pergunta que se faz é: Por que as empresas quebram? Porque perdem os seus diferenciais competitivos, não inovam, não criam produtos e serviços novos, param no tempo, não treinam, não acompanham as mudanças na velocidade exigida pelo mercado.

Fecham suas portas porque se preocupam mais em vender e esquecem a essência do negócio: a rentabilidade. E o verdadeiro sentido do negócio é que empresa nenhuma no mundo contrata uma pessoa desmotivada.

Um líder verdadeiro tem uma causa… E a equipe é a cara do líder. O grande desafio dos profissionais, notadamente líderes e gestores deve ser inspirar pessoas. O segredo é fazer com que as pessoas trabalhem querendo experimentar o seu melhor.

As empresas investem milhões em prédios, máquinas, equipamentos… E tem certa dificuldade em investir alguns milhares em pessoas, em treinamentos técnicos e motivacionais que busque o conhecimento, o comprometimento, o entusiasmo pelo trabalho e pelo negócio.

Neste caso, exemplificando, joga-se um caminhão de dinheiro fora investindo milhões numa frota e não investindo uns poucos reais no treinamento dos motoristas.

E estes, não comprometidos, desmotivados e desconhecedores de regras acabam desviando combustível, arrebentando com pneus, estourando diferenciais, burlando satélites e por aí afora… Causando um prejuízo enorme. Quebra mesmo!

O líder de sucesso destaca-se na multidão. Trabalha 40% a técnica e 60% a emoção. As pessoas são pura emoção. Você não pode exigir que a pessoa sinta lá fora e pense aqui dentro, afinal não são máquinas programadas.

Se alguém tem o filho doente em casa ou hospital, pode-se até exigir o mínimo que se espera dele, mas essa é a hora que o líder verdadeiro trabalha a emoção e tira o melhor das pessoas. Liderar é saber comandar pessoas neste caminho estreito que divisa a amizade da frieza.

Guarde bem uma coisa: Não se lidera amigos! Os amigos nos acompanham, discutem intimidades, contam seus problemas. Essa é a diferença do mundo real para a ilha de fantasia.

Quando não há identificação do gestor com sua equipe, as pessoas preferem o risco de ficar desempregadas a viverem ao lado dele. O melhor que se pode dizer das empresas de sucesso é que elas não caem na armadilha dos iguais.

Se você perguntar aos maiores e considerados melhores empresários do país e do mundo sobre o que eles esperam de você, ouvirá como resposta apenas duas palavras: Iniciativa e ideias.

Para não cair nesta armadilha é preciso muito estudo, muita leitura, iniciativa, busca por conhecimento que ajudem a construir o seu diferencial.

Não há outra receita senão conhecimento que destrói todas as incertezas. A única certeza é a mudança! É isto só vem com boas atitudes, uma vida motivada e comprometida com as pessoas, com o trabalho, com a responsabilidade social, com a vida.

Como disse Pablo Picasso: “Para construir é preciso destruir”. Para construir o sucesso, criar o futuro é preciso destruir o fantasma do fracasso.  Nós temos que dirigir o carro olhando para frente.

Pense nisso, um forte abraço e esteja com Deus!

·         Gilclér Regina é Escritor e Palestrante Profissional

Uma pessoa simples que se transformou num dos mais reconhecidos Conferencistas do país, com atuações também no exterior.

(PALESTRAS): www.gilclerregina.com.br/contato