O meia Christian Cueva pediu desculpas à torcida do São Paulo pela mensagem em sua conta no Instagram na qual disse que havia pedido para não viajar a Mirassol em função de sua condição de reserva. Dois dias depois do episódio polêmico, o peruano atribuiu a publicação do texto a um assessor que cuida de suas redes sociais.

“Primeiro, peço desculpas pelo caso, sobretudo para a torcida, que sentiu um mal-estar. Nunca tive isso com eles”, afirmou ao canal Sportv, nesta quinta-feira. “Para explicar rapidamente, tenho um cara que trabalha com as minhas redes sociais, onde foi publicado. Rapidamente eu e meu empresário nos demos conta e removemos a publicação. Ele havia colocado sem má intenção, algo errado, que não era a verdade”, acrescentou.

Antes do post de Cueva, por meio de comunicado oficial, o diretor-executivo de futebol Raí afirmou que o camisa 10 “não está comprometido com a agenda do clube no momento” e que, por isso, não defenderia o Tricolor diante do Mirassol, na última quarta.

O meia, contudo, negou ter vontade de deixar o São Paulo, que recusou uma proposta do Al-Hilal, da Arábia Saudita. Com contrato até o fim de 2021, falou ainda em recuperar seu espaço no time comandado por Dorival Júnior, além de confirmar sua convocação para defender o Peru na Copa do Mundo.

“Eu tenho contrato com o São Paulo, respeito isso e sou muito agradecido ao São Paulo. Não dá para pensar em sair agora. O time teve um momento ruim e eu enfrentei. Fiquei aqui, pus o peito, nunca deixei o São Paulo sozinho, nem eles a mim e nem os meus companheiros a mim”, rememorou, referindo-se à briga da equipe contra o rebaixamento no Campeonato Brasileiro de 2017.

Apesar do pedido de desculpas, sua presença entre os relacionados para o clássico contra o Corinthians, neste sábado, no Pacaembu, é uma incógnita. A tendência é que Dorival repita a escalação da vitória por 2 a 0 sobre o Mirassol. No melhor dos cenários, o peruano iniciaria no banco de reservas.

“Tenho que trabalhar e seguir com a minha cabeça focada, em poder ganhar um lugar e ter também um lugar na minha seleção. Se estou dentro dos planos do técnico e do clube, tenho que seguir lutando por esse espaço”, reiterou.

Este foi o segundo episódio polêmico que Cueva protagonizou no ano. Antes do início do Paulistão, o armador se reapresentou com seis dias de atraso para a pré-temporada, sendo repreendido por Raí e multado no salário.

“O que aconteceu é que surgiu um contrato de publicidade, lá no Peru, e o clube não foi avisado no tempo correto. Eu tomei minha multa, aceitei. Mas já está tudo conversado, está tudo esclarecido. Eu voltei, trabalhei. Ninguém fala que eu cheguei no meu melhor fisicamente. Por isso que eu pedi para o técnico, contra o Novorizontino, para ir para o banco, porque queria ajudar os meus companheiros. Quero ajudar o clube”, desabafou.

Da Gazeta Esportiva