Conselho mantém valores dos fatores de projeto e de localização para o FCO em 2020

A Semagro é a responsável pela administração dos recursos do FCO no Estado – Foto: Assessori/Semagro

O Conselho Monetário Nacional (CMN) manteve os valores vigentes dos Fatores de Projeto e de Localização, para a composição da taxa de juros do FCO (Fundo Constitucional de Financiamento do Centro-Oeste) em 2020. A decisão é positiva para as contratações de crédito para o desenvolvimento em Mato Grosso do Sul.

As taxas de juros aplicáveis ao FCO foram remodeladas no final de 2017, com metodologia similar à da Taxa de Longo Prazo (TLP). Além do componente de taxa de juros real e um componente de inflação, foram agregados a esses encargos os Fatores de Programa e de Localização, que alteram a parcela real da taxa de juros, diferenciando-os de acordo com tipo de operação e Faturamento Bruto Anual e/ou com a localização da operação.

Na prática, significa que o tipo de negócio e o município onde o investimento será feito, influencia na taxa de juros do FCO. Medida foi tomada considerando o objetivo do Fundo de incentivar o desenvolvimento de todas as regiões de cada Estado.

O CMN manteve também prioridade para financiamentos de inovação entre 2020 e 2023. “Temos a expectativa de pequena redução na taxa de juros, mas não impactada pela remodelagem do setorial das atividades. Com orçamento de R$ 2 bilhões, a previsão é iniciar as operações do FCO no Estado na primeira semana de janeiro”, afirma o presidente do Conselho Estadual de Investimentos Financiáveis pelo FCO, Secretário Jaime Verruck.

A Semagro (Secretaria Estadual de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar) é a responsável pela administração dos recursos do FCO no Estado. Em 2019, os R$ 2 bilhões disponíveis para o FCO foram totalmente aplicados em novos empreendimentos dos setores Rural e Empresarial.