Equipes do CCZ percorreram vários bairros de Dourados, em mutirão de combate ao Aedes aegypti – Foto: Divulgação/CCZ

Nos bairros de todo a cidade, a prefeitura de Dourados, por meio da equipe do CCZ (Centro de Controle de Zoonozes), atuou com um mutirão na semana anterior. A pausa na chuva, que já ultrapassa a média prevista para o mês no município, motivou a intensificação das ações com foco na prevenção de doenças.

Conforme Rosana Alexandre da Silva, coordenadora do CCZ, as visitas contaram com bloqueio químico em locais críticos e de possível reprodução do mosquito Aedes aegypti, transmissor de doenças como a dengue, chikungunya e zika vírus e orientação quanto à prevenção de ‘criadouros’ e limpeza em pontos críticos.

“Aproveitamos a trégua na chuva e o término de feriados para intensificar as ações nos quatro pontos da cidade. Nossos índices das doenças seguem em níveis aceitáveis – baixos – no entanto, temos que manter o alerta. Destacamos também sobre a limpeza dos imóveis, pois, locais sujos podem favorecer para outras doenças como a leishmaniose, além de ser atrativo para animais peçonhentos, caramujo, entre outros”, explicou.

As ações alcançaram 80% do município e nos próximos dias seguirão nos bairros, distritos e na reserva indígena de Dourados.

Os relatórios, com base na resposta coordenada de monitoramento estratégico da dengue em Dourados, apontam quatro casos confirmados neste ano. No ano passado, o registro de casos da doença caiu drasticamente em relação a 2016.

De acordo com a coordenadora, a meta é que os números continuem baixos no município.

O CCZ tem identificado imóveis com sujeira, objetos expostos a chuva e até piscinas abandonadas.

O proprietário do imóvel em situação crítica, não atendendo às solicitações previstas na Lei Municipal nº 3965, de 11 de fevereiro de 2016, será notificado e estará sujeito a multa.

Responsabilidade

O CCZ destaca que conforme a lei é de responsabilidade dos responsáveis por propriedades imóveis, particulares ou não: conservar a limpeza dos quintais e calçadas, com o recolhimento de lixo e de pneus, latas, plásticos e outros objetos ou recipientes e inservíveis em geral que possam acumular água, bem como a remoção de todo o mato, conservar adequadamente vedadas as caixas d’água, manter plantas aquáticas em areia umedecida, manter pratos de vasos de plantas com areia impedindo o acúmulo de águas (emersas) nos mesmos, tomar medidas para que os objetos, plantas ornamentais ou árvores que possam acumular água sejam tratadas ou corrigidas suas fendas para evitar a proliferação de larvas, conservar as piscinas limpas e tratadas e as calhas e os ralos limpos, manter cobertos os carrinhos de mão e caixas de confecção de massa de construções civis de maneira a não acumular água que permita o desenvolvimento de larvas.