Vilão na derrota do São Paulo para o Atlético-MG, domingo, no Morumbi, Lucão disse que a torcida tricolor ficaria feliz porque em breve deixaria o clube. A declaração pegou mal na diretoria, que avisou que não colocará barreiras para a saída do zagueiro.

A postura da cúpula são-paulina vai ao encontra das palavras de Rogério Ceni na entrevista após a partida. Lucão disputou seis jogos no Campeonato Brasileiro – limite para um jogador ser transferido a outros clubes do País – e, por isso, sequer viajará com a delegação tricolor para Curitiba, onde a equipe enfrentará o Atlético-PR, nesta quarta-feira, às 21h45 (de Brasília).

“O Lucão manifestou publicamente a vontade de deixar o São Paulo. Conversamos internamente, ele tem seis jogos, se a gente receber uma proposta não vamos dificultar a saída dele. Queremos jogadores que queiram jogar no São Paulo”, afirmou Vinicius Pinotti, diretor-executivo de futebol, em entrevista coletiva, nesta terça-feira, no CCT da Barra Funda.

Com Lucão fora dos planos, Maicon perto de ser vendido ao Galatasaray, da Turquia, e Lugano ainda em dúvida se aceita ou não a proposta de renovação do São Paulo, a defesa virou motivo de preocupação para a diretoria. Tanto que Pinotti garante que a intenção do clube é segurar Rodrigo Caio durante a janela de transferências que se inicia em julho – no momento não há propostas oficiais pelo camisa 3.

“Não temos a mínima intenção de vendê-lo, jogador de Seleção e faz parte de nosso projeto esportivo. Nosso planejamento é outro, queremos dar uma mudada, uma chacoalhada no elenco, vamos reforçar o time. Não é vender pode vender, estamos atentos ao ganho esportivo, queremos voltar a vencer, esse é o nosso objetivo”, explicou o dirigente.

Além de Rodrigo Caio, Pinotti foi questionado sobre supostas ofertas por Wesley, Buffarini, Thiago Mendes e Júnior Tavares, além do possível retorno do atacante Centurión, emprestado ao Boca Juniors até o fim de junho.

“Não tem nada de Wesley sair. Nada do Buffarini. Thiago teve uma conversa (com o Lille-FRA), mas é aquele caso que não queremos vender. Do Júnior Tavares não chegou nada. Sobre o Centurión, o Boca tem até o dia 30 para se manifestar. Até agora não recebemos nada”, concluiu.

Da Gazeta Esportiva