“Centralizar recursos da merenda escolar é preocupante”, diz Madson

De acordo com a avaliação do vereador a decisão poderá promover sérios transtornos para as escolas e Ceims – Foto: Thiago Morais

O decreto publicado pela gestão municipal, do qual trata da centralização dos recursos da merenda escolar, é considerado como uma medida antidemocrática pelo vereador Madson Valente (DEM). De acordo com a avaliação do vereador, a decisão poderá promover sérios transtornos para as escolas e Ceims (Centros de Educação Integrada Municipal), visto que será necessária uma logística macro para atender 45 escolas e 36 Ceims.

“Fico imaginando como o fornecedor, que ganhar a licitação dos pães, por exemplo, irá realizar a entrega no período da manhã em todos os Ceims, poderá até entregar, mas quanto custará isso para o município? Todas as escolas possuem condições de armazenar merenda? Possuem esta logística? Por isso entendo que será um processo que representará maior custo para o município, embora se tenha condições de ter um preço menor, porém a logística para centralizar o fornecimento da merenda encarece o processo”, disse Madson.

O vereador apontou que a merenda escolar está descentralizada desde 2005 e estaria dando resultado neste modelo, sendo considerado pelo Tribunal de Contas um serviço de excelência e avaliado como referência para o Brasil. Madson alegou ainda que a Prefeitura de Dourados estaria cometendo um equívoco, pois o modelo atual permite as participações de todas as comunidades escolares, sendo um processo democratizado. “Portanto, esta ação contraria toda tendência de planejamento e visão da gestão pública, que na verdade é descentralizar e desta forma transferir responsabilidades”, comentou o vereador.

Madson salientou ainda que a decisão de centralizar esses recursos não foi em nenhum momento discutida com as comunidades escolares, que ninguém pode opinar por isso o vereador entende que é de se estranhar tal medida. Já que ações desta natureza deveriam ser consultadas a sociedade, afinal são recursos públicos.