Celso Moretti é confirmado na Presidência da Embrapa

O pesquisador Celso Luiz Moretti – Foto: Jorge Duarte

O pesquisador Celso Luiz Moretti vai assumir oficialmente a Presidência da Empresa – ele está exercendo interinamente o cargo desde 17 de julho. A decisão foi anunciada pela ministra da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Tereza Cristina, nesta sexta-feira (20).

Celso Moretti está há 25 anos na Embrapa. Iniciou a carreira como pesquisador, foi chefe da Embrapa Hortaliças, chefe do Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento (DPD) e diretor-executivo de P&D.

Como presidente interino da Embrapa, foi responsável por buscar maior integração e aproximação da Empresa com ações prioritárias do Ministério da Agricultura, rever a gestão da programação de Pesquisa, Desenvolvimento & Inovação, coordenar com a Diretoria o processo de implantação do sistema integrado de gestão (ERP) e estabelecer novos contatos com cadeias e setores produtivos do agro brasileiro.

A ministra Tereza Cristina esteve com dirigentes da Embrapa na última semana, quando pactuou com diretores e chefes de UDs uma série de mudanças na Empresa a serem realizadas nos próximos meses. Haverá um esforço conjunto em torno da reformulação da gestão, que será conduzida pelo Mapa e pela Embrapa, agora sob a liderança oficial de Celso Moretti.

Entre as propostas discutidas pela ministra estão: rever a atuação e dar mais autonomia aos centros de pesquisa na busca por soluções sustentáveis para o agro, dar mais agilidade à Empresa, ajustar o modelo de operação e aproximar ainda mais a pesquisa do setor produtivo. Também foi discutida a necessidade de rever cargos comissionados e aumentar a capacidade de captação de recursos para reduzir a dependência do Tesouro Nacional.

Celso Moretti diz que as orientações da ministra são prioridade e “vão ajudar a Embrapa a se atualizar e ter uma participação ainda mais efetiva junto ao agro brasileiro”. Também destacou que o projeto do governo teve amplo alinhamento com os gestores da Empresa. “Agora é trabalhar para colocar em execução as diretrizes para revisão do modelo e forma de atuação”, afirma.

Entregas

Moretti também chama a atenção para o fato de que a Embrapa continua fazendo entregas relevantes para a sociedade. Entre os destaques deste ano está o BiomaPhos, um inoculante que aumenta a quantidade disponível de fósforo nos solos para absorção pelas plantas. Estima-se que haja cerca de US$ 40 bilhões em fósforo acumulados ao longo de décadas e que, com a tecnologia da Embrapa, possam ser apropriados pelas plantas, gerando economia e incremento da produtividade.

Outra entrega foi o aplicativo Zarc Plantio Certo, que permite ao produtor tomar decisões de forma ágil e prática, baseado em informações oficiais de zoneamento de risco climático. O novo presidente também destaca a participação da Empresa no consórcio internacional que sequenciou o genoma do fungo causador da ferrugem asiática (Phakopsora pachyrhizi), principal doença das lavouras brasileiras de soja e que causa US$ 2,8 bilhões de prejuízos para o país.

Entre as novidades previstas para 2020 está o início do processo de certificação e comercialização de produtos com a marca conceito Carne Carbono Neutro (CCN). A marca garante que os animais que deram origem ao produto tiveram as emissões de metano entérico compensadas durante o processo de produção pelo crescimento de árvores no sistema.

Outro produto aguardado é o sistema de inteligência territorial estratégica para impulsionar a produção aquícola. A Embrapa está mapeando, por imagens de satélite, os viveiros de criação de peixes e outros animais aquáticos em todo o Brasil. As informações ficarão disponíveis em uma plataforma online, que abrigará vasta quantidade de dados georreferenciados sobre a atividade.

Trajetória

Moretti é pesquisador da Embrapa desde 1994, quando foi contratado para atuar no Laboratório de Ciência e Tecnologia de Alimentos da Embrapa Hortaliças, Unidade que chefiou entre agosto de 2008 e março de 2013. Também atuou na Sede como chefe do então Departamento de Pesquisa e Desenvolvimento (DPD), de abril de 2013 a julho de 2017, e depois como diretor de P&D, a partir de julho de 2017 – cargo que estava acumulando enquanto presidente interino.

Engenheiro agrônomo formado pela Universidade Federal de Viçosa (UFV), é mestre e doutor em produção vegetal pela mesma instituição e especialista em gestão empresarial pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC).

É alumni (2016) da Harvard School of Government, Harvard University (EUA) e professor convidado da University of Florida (EUA) desde 2006. Foi bolsista em produtividade científica do CNPq de 1999 a 2017 e orientador de estudantes de mestrado e doutorado da Universidade de Brasília (UnB) de 2003 a 2017. É autor de capítulos de livros, editor de livros técnicos e autor e coautor de trabalhos técnico-científicos em periódicos nacionais e internacionais. Possui ampla experiência internacional, tendo proferido palestras, seminários e conferências em mais de 40 países. É membro do Painel Global para Agricultura, Alimentação e Nutrição (Reino Unido) desde 2019. Neste ano, foi indicado pelo governo brasileiro para representar o país junto à ONU Meio Ambiente (Unep/UN).