Presença feminina é marcante na gestão estadual que conta com vice-governadora e uma Subsecretaria direcionada, exclusivamente, à defesa dos direitos das mulheres; IBGE aponta Brasil em 152º no ranking internacional de presença feminina em parlamentos.

Vice-governadora, Rose Modesto, é destaque de liderança e empoderamento feminino – Foto: Leca

Com o tema “O Protagonismo das Mulheres Sul-mato-grossenses: mais direitos, mais participação, mais poder”, a Subsecretaria de Estado de Políticas Públicas para as Mulheres, do Governo de MS, quer incentivar ainda mais a participação feminina na política, inclusive, com vistas às eleições deste ano. Levantamento divulgado nesta quarta-feira (07.03) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) aponta o Brasil em 152ª posição em ranking de 190 países em relação à presença feminina nos parlamentos.

Durante a campanha, que será realizada durante todo o mês de março em alusão ao Dia Internacional da Mulher, serão realizadas rodas de conversa e palestras na Capital e interior do Estado sobre enfrentamento à violência e participação das mulheres na política.

“Essa é uma data para discutirmos não apenas sobre as conquistas, mas também a respeito dos avanços que ainda podemos fazer, em busca de direitos e igualdade. O crescimento dos espaços na política só vai acontecer quando mais mulheres se organizarem e colocarem seu nome à disposição para a disputa”, afirma a vice-governadora Rose Modesto.

O trabalho da campanha deste mês é focado em ampliar a presença feminina nas esferas onde são tomadas decisões que podem contribuir para melhorar a vida das mulheres. “Acreditamos que o aumento da participação das mulheres nos espaços de poder e decisão contribui para a superação das desigualdades de gênero”, explica a titular da Subsecretaria de Políticas Públicas para as Mulheres, Luciana Azambuja.

“Vamos nos reunir para discutir política de forma plural, aberta e participativa, respeitando as particularidades de cada partido, mas unidas pela eleição de uma grande bancada feminina”, detalha a subsecretária. “Lugar de mulher é na política e onde mais ela quiser. Com esse pensamento, nossa missão é dizer a todas as mulheres que elas não só podem como devem ter papel ativo na vida pública em seus municípios e estados, bem como ocupar mais espaços na política partidária”, completa.

Em Mato Grosso do Sul, onde as mulheres compõem 52% do eleitorado, o percentual de representação na política é de apenas 12,5%. São três eleitas entre os 24 deputados estaduais e somente uma entre os oito deputados federais. No caso do Senado a representação é maior, com uma mulher entre os três senadores eleitos por MS.

Representatividade

Favorável à ampliação da participação feminina na política, o governador Reinaldo Azambuja já declarou apoio à aprovação da Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 134/2015, que aguarda votação no Plenário da Câmara dos Deputados, em Brasília.

Pela proposta, será assegurada a reserva de cadeiras para mulheres nas próximas legislaturas, com implantação em percentuais gradativos de 10%, 12% e 16% em todas as instâncias representativas do País – de Câmaras de Vereadores, passando por Assembleias Legislativas e Câmara dos Deputados.