Campanha alerta para a importância do uso dos óculos de segurança

Em 2017, o HU-UFGD registrou 15 acidentes de trabalho com acometimento dos olhos, sendo que em todos os casos os trabalhadores estavam sem os óculos de proteção

Equipe da CIPA realizou ação nesta terça-feira, 26 – Divulgação

Com bom humor e muita movimentação, integrantes da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes (CIPA) recepcionaram os colaboradores do Hospital Universitário da Universidade Federal da Grande Dourados (HU-UFGD) nesta terça-feira (26). Quem chegou ou saiu de seu turno de trabalho, passou pelo tapete vermelho que forrou a entrada dos funcionários, e pôde observar a paramentação completa dos manequins que representaram os trabalhadores da assistência à saúde.

Com o mote “Não tire esses óculos, use e abuse dos óculos”, parafraseando a letra da canção “O charme dos seus óculos” (Roberto Carlos, 1995), a campanha teve música, distribuição de panfletos informativos e orientações da equipe da CIPA.

“Nossa ideia foi receber a todos com tapete vermelho para lembrar a importância de cada um e, ao mesmo tempo, provocar uma reflexão sobre a necessidade da prevenção dos acidentes, especialmente com relação ao uso dos óculos de proteção”, comenta o presidente da CIPA, Luciano Ribeiro da Silva, técnico em Segurança do Trabalho.

A campanha voltada especificamente ao uso dos óculos foi motivada pela alta incidência de acidentes com acometimento dos olhos durante o ano de 2017. Conforme Informe Epidemiológico elaborado pela CIPA em conjunto com a Saúde Ocupacional e Segurança do Trabalho (SOST), e publicado no Boletim de Serviço do HU-UFGD nesta segunda-feira (25), ao longo do ano passado foram notificados 15 acidentes de trabalho envolvendo os olhos, o que representou 29,41% do total de ocorrências registradas no ano. Em 14 desses acidentes houve exposição a material biológico (sangue, secreções, excreções ou fluidos corpóreos).

“Evitar o acidente por exposição ocupacional é o principal caminho para prevenir a transmissão dos vírus das hepatites B e C e do vírus HIV. (…) O risco de infecção por HIV pós-exposição ocupacional com sangue contaminado é de aproximadamente 0,3%. No caso de exposição ocupacional ao vírus da hepatite B (HBV), o risco de infecção varia de 6% a 30%, dependendo do estado do paciente-fonte, entre outros fatores. Quanto ao vírus da hepatite C (HCV), o risco de transmissão ocupacional após um acidente com paciente-fonte HCV positivo é de aproximadamente 1,8% a 10%. Uma das formas de evitar acidentes é o uso de EPI [Equipamento de Proteção Individual], que constitui uma barreira protetora para o trabalhador, pois reduz efetivamente (mas não elimina) o risco de exposição ocupacional”, informa o documento publicado.

Apesar do viés descontraído, a campanha pretende passar uma mensagem séria e direta aos trabalhadores. Desta forma, foi produzido um vídeo com trechos dos relatos dos 15 colaboradores que sofreram acidentes envolvendo os olhos em 2017. São slides com frases impactantes, que convidam à reflexão sobre a importância do uso adequado dos EPIs. “Percebemos que o vídeo causou o efeito desejado, as pessoas estão comentando e, como sabemos, falar sobre o assunto é um bom caminho para a conscientização”, avalia Luciano.