Lei provavelmente será vetada no Senado, de maioria republicana – Foto: EPA

Desafiando uma ameaça de veto feita pelo presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, a Câmara de Representantes, controlada pelo Partido Democrata, aprovou nesta terça-feira (4) uma lei que protege da deportação cerca de 2 milhões de estrangeiros, entre eles jovens imigrantes ilegais, conhecidos como “dreamers”.

O projeto de lei foi aprovado por 237 votos contra 187. Apenas sete republicanos votaram a favor da medida que pode dar chance de cidadania para filhos de imigrantes ilegais que chegaram ao país quando crianças. O texto ainda prevê a proteção de outros estrangeiros quando seus países de origem estão em guerra ou sofreram algum desastre natural.

A decisão, no entanto, foi criticada pelos republicanos e a probabilidade é de que seja vetada no Senado. Em uma carta enviada aos congressistas, a Casa Branca ameaçou barrar a medida caso se concretize. Os representantes do partido de Trump afirmaram que esta lei não diz respeito a proteção das fronteiras e pode encorajar ainda mais a imigração clandestina. O projeto é a resposta da maioria democrata da Câmara à imensa agenda de imigração do presidente, que fez o combate aos imigrantes uma de suas principais promessas de campanha. Ele tem o objetivo de ajudar que pessoas amparadas pelos programas Ação Diferida para Chegadas na Infância (Daca), Status de Proteção Temporário (TPS) e Saída Forçada Diferida (DED) consigam a cidadania norte-americana. O programa Daca, promulgado pelo então presidente Barack Obama, protege os direitos daqueles imigrantes que chegaram aos Estados Unidos ainda crianças ou adolescentes, ou seja, que não foram ao país por vontade própria, mas sim porque pais ou parentes os levaram até o território.

Da AnsaFlash